04 maio 2018

É estranho ter vinte e poucos anos

Quando eu era mais nova, chegar aos 18 anos era uma realidade distante. Acho que todo mundo passa por essa fase, não é? A gente acha que nunca vai ter independência, liberdade, coragem para ser dono do próprio nariz e das escolhas que faz. Mas aí, quando a hora chega, nos damos conta de que não é nada disso. Ter 18 não significa nada. Você continua morando com os pais, ainda precisa deles até conseguir um emprego estável, ainda pede permissão para fazer o que quer e, provavelmente, vai correr para o colo mais próximo quando a vida resolver pregar uma peça. A única coisa que se transforma são os números. Digo isso porque a expectativa x realidade é muito diferente do que imaginamos. Olha só para mim, estou com 20 e poucos anos e só agora resolvi que era hora de sair da zona de conforto.
A verdade é que demora até conquistarmos o mínimo que seja de confiança para ser cada um por si. Demora até concluirmos o que realmente queremos da vida ou o que ela quer da gente. Quando essa conclusão chegar, talvez você já tenha 40 anos. Ou, quem sabe, você viva sua vida inteira sem saber a resposta para isso. Vai saber, né? O fato é que todo mundo cobra, mas, quando realmente chega o momento de fazer as coisas acontecerem, não existe uma única pessoa que não recue. Isso porque, como bem diz Bauman, vivemos tempos líquidos em que tudo muda, o tempo todo.

Aos 15 anos, pensava que com 21 estaria formada, com 24 estaria casada, com 27 publicaria meu primeiro livro, e, quem sabe, com 30 teria um filho. Bom, fiz 22 e ainda não me formei, não sei mais se quero casar e pretendo publicar um livro ano que vem. Complexo? Não, porque nossas prioridades mudam. Sempre. Talvez meus planos mudem até o final do dia. Talvez aconteça alguma coisa nesse meio tempo que me faça repensar sobre meus objetivos. No fim, a pressão da idade é maior do que o fluxo da vida.

E que clichê falar disso, não é?

É que fiquei pensando: é muito estranho ter vinte e poucos anos, assim, por extenso mesmo. É estranho porque não me sinto mais velha, ainda que as responsabilidades tenham dobrado de tamanho. É estranho porque ainda acordo cedo e vejo desenho animado. É estranho porque, quando tinha 18, queria fazer 30; agora que tenho 20, só quero voltar a ter 15. Não porque não me orgulho do que conquistei até aqui, mas porque tem dias que minha única vontade é de sentar e colocar a cabeça no lugar, só que a vida não para e os dias se atropelam.

É estranho porque as pessoas esperam muito de alguém que faz 18, assim como esperam mais ainda daqueles que fazem 30. Estar no meio disso é não esperar nada. É ser surpreendido o tempo inteiro. É ter uma infinidade de possibilidades e não fazer ideia de para onde correr. É se perder e se encontrar na esquina de casa.

10 comentários:

  1. Lindo texto, eu sinto o mesmo que você, quando era criança achava que as 15 já seria adulta, aos 15 percebi que ainda era praticamente uma criança e hoje aos 20 sofro tentando ser adulta. As vezes parece que estou perdendo tempo, que estou ficando velha, mas eu só tenho 20 e devo aceitar que nessa idade é normal não ter conquistado muitas coisas, a sociedade cobra muito mas cada um tem seu próprio ritmo e tempo. Aos 20 algumas pessoas, já trabalham, tem filhos, mas outras ainda moram com os pais e não são independentes e isso tudo é normal...
    Adorei, beijos!! <3

    http://bel-somostaojovens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No fim, a gente percebe que não adianta muita coisa ficar esperando pelos 20 e poucos, 30 e poucos. Temos o agora e é isso. Precisamos aprender a viver o hoje, sem ficar pensando em todas as possibilidades de amanhã, não é? Tá tudo bem ♥

      Excluir
  2. Tenho 24, nunca quis retroceder, mas é uma idade que lhe deixa com um mix de sentimentos que a gente não sabe explicar bem... Sinto bastante o peso da sociedade para que eu tenha responsabilidades maiores, para que eu conquiste as coisas, para que eu seja "alguém". É difícil!

    Beijo enorme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É complicado saber e não saber o que a gente sente, né? Fica aquele vazio, aquela coisa inalcançável rs. Mas tudo bem, com o tempo, aprendemos a lidar e a ser feliz com isso ♥

      Excluir
  3. Eu vou fazer 20 no final do ano e estava falando disso recentemente com um amigo, de como é estranho estar perto dos 20, a idade em que eu sonhava em me casar. Hoje as 19 vejo que esse sonho de criança não passou disso, um sonho. Muita coisa muda de lugar com o passar dos anos né!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que muita coisa muda quando a gente se dá conta do que nos espera lá na frente. Não que sejam coisas ruins, mas, talvez, há prioridades que nos preencham melhor ♥

      Excluir
  4. Olá, boa tarde. Me identifiquei demais com esse texto, meio que tudo que eu queria falar e como me sinto também. As expectativas que geramos em torno da idade e o quanto nossas prioridades mudam com o passar do tempo.
    Eu estou com 24 e também me sinto como se o tempo não tivesse passado tanto, como se a alma ainda tivesse uns 15-18, mas a maturidade ao mesmo tempo e responsabilidades é algo constante.
    Achei um encanto seu blog, vou seguir para acompanhar as próximas postagens! Lindo <3

    Beijos :*
    (Se gosta de poemas, segue no meu perfil meu blog) :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente amadurece, mas carrega aquele sentimento estranho de que algumas coisas nunca vão mudar, né? Há coisas na vida que acabamos carregando para sempre, ainda que isso seja complexo e que devamos dar lugar a outras responsabilidades. Acho que só o tempo consegue nos explicar isso ♥

      Excluir
  5. O melhor é não querer saber do que esperam de nós e fazermos o que queremos, esse é o segredo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade ♥ Falou pouco, mas falou tudo rs.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤