05 dezembro 2017

Monografia apresentada e uma nova bagagem

Eu comecei o semestre com milhares de ideias na cabeça e sonhos que possivelmente vão ficar por um longo tempo na listinha de desejos. Não que eles não possam se realizar, mas sei que sou impaciente e vivo mudando minhas prioridades de uma hora para outra. De qualquer forma, cá estou, sentada com uma sensação indescritível de paz e dever cumprido, escrevendo sobre algo que me tirou o sono diversas vezes. É irônico, não? Ainda que eu não possa dizer que mais um ciclo está se fechando, só queria deixar registrado o quanto é gostoso saber que a gente tem a capacidade de fazer as coisas acontecerem, mesmo quando o mundo te diz o contrário.
Durante esses três meses que se passaram, ouvi lamentos e comentários grotescos vindo de pessoas que jamais imaginei. Assim como também recebi incentivos e me inspirei em outras que nem mesmo passaram pela minha cabeça. Perdi o sono centenas de vezes, a ponto de sentar na cama e escrever no bloco de notas do celular algumas ideias que deveriam ser colocadas em prática. Vi e revi o mesmo filme mais de 10 vezes. Decorei diálogos, trilhas de fundo e partes do roteiro. Me descontrolei e tive vontade de sumir por todos os momentos em que não sabia o que fazer.

Me perdi de mim.

Tive crises de identidade e ansiedade. Ia trabalhar com olheiras e uma dor no pulso bastante chata por passar horas escrevendo. Perdi meus programas preferidos na televisão e fiquei chateada por isso. Surtei e briguei com muita gente — admito que algumas mereceram! Não tive tempo de fazer as coisas que gosto, como ter um dia de tédio e não fazer absolutamente nada. E tudo isso parece muito bobo quando colocado no papel, só que no calor do momento não é.

Mas eu também me descobri.

Como boa amante de um desafio, percebi um lado meu que há muito ficava escondido. Aprendi a ser mais independente e a fazer as coisas por amor. Me descobri como alguém que não tem mais medo de levar um tapa da vida. A gente cai e levanta, sempre! 

Nesses três meses, aprendi a me amar. Tive picos de euforia e desânimo na mesma intensidade. Chorei e dei gargalhada em um mesmo dia. Levo na bagagem conhecimentos que ainda não tinha tido contato até então. Sonhei com coisas que se realizaram, assim como vivenciei coisas inimagináveis. Aprendi a valorizar os elogios, mas principalmente as críticas. Entendi que temos aquilo que precisamos, e não necessariamente aquilo que tanto queremos. As coisas boas a gente só conquista com o tempo. E se não for merecido, esse momento não vai chegar.

Escrevo isso como um consolo. Escrevo para deixar o coração mais leve e a cabeça mais sensata. Escrevo para que, daqui alguns anos, quando reler este texto, saiba que posso ser o que quiser ser. E que ninguém além de mim pode fazer as coisas darem certo.

22 comentários:

  1. Lindo texto, disse tudo, acredito que muitas leitoras passam por isso também e nada como escrever para aliviar a alma e o coração. Muitas vezes é verdadeiramente preciso se perder para assim se descobrir e ver o quão sensacional você é. Daqui alguns anos você lerá esse texto e verá como as coisas tomam sempre rumos melhores com o nosso amadurecimento!
    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, muito obrigada pelo carinho ♥ Escrever deixa a vida mais levinha, né? Acho que o amadurecimento tem um papel fundamental na nossa essência. Quando nos perdemos para nos reencontrarmos as coisas parecem tomar um rumo.

      Excluir
  2. " Escrevo para que, daqui alguns anos, quando reler este texto, saiba que posso ser o que quiser ser. E que ninguém além de mim pode fazer as coisas darem certo.

    Lindo demais! É nos sacrifícios , noites mal dormidas , picos de choro e euforia que descobrimos do que nós somos feitos e vc descobriu que você é forte e que foi feita para ser aquilo que quiser, contanto que mantenha foco no objetivo. Parabéns minha linda, agora é sair para comemorar! Para o alto e avante!

    www.vivendolaforanoseua.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, muuuito obrigada, moça ♥ É mesmo nos momentos mais complicados que nos damos conta do que somos capazes. No fim, dá tudo certo e é aprendizado de sobra. Felizmente sabemos disso e lidamos melhor com os desafios dessa forma.

      Excluir
  3. Posso dizer que me emocionei?
    Posso porque já sou de casa.
    E porque me identifiquei.
    Eu to tão feliz por você, a gente participou um pouquinho desse teu trajeto, através das palavras que encontramos aqui no Caligra e sabemos o quanto isso era grandioso para você, tanto em desafio, quanto todas as outras coisas que citara.
    A gente pode ser o que quiser.
    A gente pode vencer qualquer coisa.
    Obrigada, Kelly <3 por isso.
    Obrigada por sempre ter textos que nos arrancam da cadeira para um oceano de pensamentos e reflexões.
    Todo o sucesso do mundo para você e toda a autoconfiança e amor também.
    Mil beijos!

    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já é de casa mesmo ♥ É muito difícil escrever e não deixar que os outros participem dessas trajetórias iuaheiuhe, mas é ótimo saber que tanto você quanto outras pessoas me leram e me acolheram nesse processo. É gratificante e lindo! Muito obrigada por todo carinho, Beca, só tenho a te desejar um mundo.

      Excluir
  4. Que texto lindo Kelly. "Me perdi de mim." isso aconteceu comigo também quando me vi fazendo mil coisas menos me cuidando e me amando. Isso também serviu para eu ver que nada nem ninguém é mais importante do que o meu bem estar e que bom que vc também está aprendendo, estamos juntas <3 um bj
    -
    www.suave-pensamento.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Errando e aprendendo sempre, né? É muito bom quando nos damos conta dos erros e conseguimos arrumar ♥ Parabéns por ter entendido e aprendido que você vale muito! E sim, estamos juntas nesse caminho.

      Excluir
  5. Aaaaa que texto incrível a cada dia que procuro mais por blogs mais eu aprendo e mds obrigado por esse texto incrível me fez refletir e espero que aprender tbm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que coisa mais bonita ♥ É muito bom quando nos damos ao luxo de aprender com as adversidades da vida. Obrigada pelas palavras!

      Excluir
  6. Oi Kelly!
    Foi uma delícia ler esse seu texto, porque, por mais que alguns momentos tenham sido atribulados, acho que não existe momento de crescimento sem esses percalços da vida. Já tem um pouco mais de 2 anos que me formei e, o momento em que precisei fazer e apresentar minha monografia foi, no mínimo, atribulado. A vida inteira parecia fora dos eixos. Mas, depois que isso passou, que a roda voltou a girar no prumo, eu pude perceber o quanto aquele momento me modificou e estará marcado na minha memória para sempre, hoje, com muito mais saudosismo do que reclamações sobre os problemas que surgiram. <3
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apresentar a monografia foi mesmo complicado, mas depois ficamos com aquela sensação de leveza, não é? Parece que tudo se ajeita e sai um peso das nossas costas rs. E isso é fato, a gente aprende muito com as adversidades da vida, com as complicações que surgem no meio do caminho. Fico bem feliz que tenha gostado e se identificado com o "desabafo" ❤️

      Excluir
  7. Nossa, que texto maravilhoso ♥
    É engraçado (na verdade, é triste haha) como a gente pode se perder tão fácil. Esquecer quem somos e o que gostamos de fazer, muitas vezes sem saber o motivo.
    Muito obrigada por esse texto <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é? Acho que, em parte, isso se deve a pressão. Ela nos coloca no limite e faz com que queiramos ser e acreditar naquilo que não nos convence. Obrigada pelo carinho ❤️

      Excluir
  8. Olá!
    Que lindo texto(desabafo),quantas vezes nos perdemos e achar a porta certa é difícil.Mas que bom que você conseguiu descobrir novas coisas,ideias e viver.
    Desejo profundamente que de tudo certo.E se tiver pedras no caminho pule e cai em pé,tudo passa.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, absolutamente tudo passa, e não há motivos para ficar estagnado no mesmo lugar. O que vale é a força que temos para ir além ❤️

      Excluir
  9. Oi Kelly, tudo bem? Em nossas vidas sempre aparecem milhares de desafios, cabe a nós baixar a cabeça e desistir ou encarar o espelho e nos convencer de que somos capazes. Quando tive que fazer meu TCC também pensei que ficaria louca, pior, cheguei a pensar que não daria conta com tantas coisas por fazer. Mas é preciso ter confiança, segurança, respirar fundo e ir em frente. Dá um frio na barriga? Sempre. Mas se não fizermos quem fará por nós? Desejo muito sucesso pra você. E sim, você pode fazer qualquer coisa. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que esse frio na barriga seja um sinal de que as coisas estão fluindo, mesmo que de forma intensa e turbulenta. Tudo se ajeita quando menos esperamos, e nada nos faz tão fortes quando os momentos de dor de cabeça profunda. É sim, podemos fazer qualquer coisa. Vale sempre lembrar disso ❤️

      Excluir
  10. Olá Kelly,

    Eu surtei 3x realizando TCC, mas confesso que no último curso que realizei eu fiz com gosto e com um pouco de medo. Mas, tente relaxar um pouco, ouvir uma música e depois recomeçar novamente a escrever (eu fazia isso e dava certo..) :D Desejo sucesso pra você!!

    Um beijo,

    My Pure Style x My Instagram x My Facebook 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que isso realmente me ajudou muito quando estava finalizando a mono. Parar, refletir e tirar um tempo para fazer aquilo que gosto, sem ficar em cima do trabalho o tempo inteiro. No fim, deu tudo certo e foi um aprendizado e tanto ❤️

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤