07 novembro 2017

Recomece sempre que precisar

Quando era pequena, descobri nos livros infantis que a gente precisa fazer de tudo pelos nossos sonhos. Sempre levei isso como um mantra, o qual repetia incansavelmente enquanto crescia. Se a vida cooperava, lá estava eu, com um sorriso de ponta a ponta; caso contrário, me via em um beco sem saída. Talvez em meio a pensamentos, ou, quem sabe, no meio do caminho. A verdade é que ninguém nos fala que não há problema em algo dar errado. Ora! A vida têm momentos únicos que nem sempre condizem com nossas expectativas, mas isso não significa que estamos fazendo tudo o que deveríamos não fazer. Significa apenas que não deu certo. Não tinha que dar. Tá tudo bem abrir mão de vez em quando, mas não da gente. Não do que somos.
Nunca fui o tipo de pessoa que deixa estar. Eu gosto do desafio, mas tem coisas que simplesmente não funcionam comigo. Indivíduos que não batem com o meu santo, atitudes que não fazem jus ao que acredito, horas que mais parecem dias não pelo fato de passarem devagar ou pela falta do que fazer, mas, sim, porque a companhia não flui, a conversa não se desenvolve, as risadas não são naturais. Só que a gente precisa ter a certeza de que aquilo está certo, de que faz algum sentido. 

E quando não funciona, a gente finge que tá tudo bem.

Não é assim? Porque temos medo do incerto. Temos pavor de sair da zona de conforto e tentar novamente. Entrar em campos inexplorados. É por isso que tem tanta gente no emprego errado, no lugar errado, com a pessoa errada, em conversas ainda mais insanas. Eu, inclusive, faço parte desse grupo, mas juro que tô tentando mudar. Não pelos outros ou pelo que poderiam considerar, mas por mim mesma.

Se eu não gosto de onde trabalho, se sei que posso ir além, por que não tento? Por que ainda tô aqui parada, lidando com pessoas com as quais não simpatizo? Talvez eu tenha inúmeras respostas para essas perguntas, mas esse é o nosso problema: sempre arranjamos uma desculpa. Se formos analisar, passamos mais tempo com pessoas, situações e lugares dos quais não gostamos pelo simples fato de que é mais fácil assim. Não dá trabalho. Não gera revolta. O pensamento é universal: não precisamos encarar o novo para encontrar tudo aquilo que já temos, ainda que o que temos não seja necessariamente algo de que temos afeto. 

Só que não há nada de errado em desistirmos de coisas que não nos agregam. Se o relacionamento tá ruim, é porque tá ruim. Poxa! É porque não tem que dar certo. É porque vocês não se entendem como deveriam se entender. É porque, no fundo, é só amizade. Porém insistimos e levamos a coisa em banho maria. Ainda que descontentes, é o que temos. Mas será que o que temos é suficiente para o que, de fato, sonhamos?

Se a resposta para essa pergunta for "não", é melhor tentar novamente, meu bem. Fecha os olhos, conta até dez e pontua mentalmente todos os momentos únicos da vida. Talvez os sonhos precisem de algumas mudanças, assim como inúmeros outros surgirão com o tempo, mas a gente nunca sabe o que vai acontecer no outro dia. Eu não sei você, mas quando meu último dia bom chegar, a única certeza de que quero ter é que fiz tudo que pude para ser feliz. E se for preciso desistir de algumas coisas ao longo do percurso, tudo bem. A vida tem dessas. Espero perder o medo de recomeçar.

12 comentários:

  1. A frase que me definiu neste texto foi "E quando não funciona, a gente finge que tá tudo bem". Nossa, quem nunca? E parece que nos piores momentos é quando mais "precisamos" esconder que algo está terrivelmente errado. Como sempre, amei o texto! Um beijo <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem nunca, né? A gente vive deixando as coisas de lado, fingindo uma felicidade irreal, infelizmente. Que bom que gostou, moça ♥

      Excluir
  2. Só digo uma coisa: UAU!

    Kelly, que texto mais lindo e tocante. Eu sempre fui aquele tipo de menina que queria algo, começava e logo desistia. Nunca conseguia lutar muito pelas coisas ou deixava de dar tanta importância e largava de lado. Então, um dia, resolvi ir pra um estado diferente, sozinha, onde só tinha amigos que fiz pela net. Vivi um sonho por quase 2 anos, até chegar o momento de dizer, não posso mais continuar, estou entrando em depressão pois a vida está mais ruim do boa, então é hora de parar por aqui. Foi difícil desistir do que eu mais amava, mas zelei pela minha sobrevivência e sanidade, então coloquei na cabeça aquilo que sempre falam: se não deu agora, não era o momento certo, talvez algum dia aconteça. Perdi a luta mas não a batalha. Foi difícil voltar, retomar a vida na cidade onde nunca gostei estar, hoje eu penso diferente, já não me vejo mais voltando pra onde morei, mas em outros lugares. Percebi que fiz o mais correto, desistir antes que fosse tarde demais. Desisti de um sonho e no decorrer desse desapego eu encontrei outros. Assim é a vida. Meus pais sempre dizem: não há bônus sem ônus, e se queremos muito algo teremos que abdicar de algumas coisas, teremos que fazer escolhas e com isso virão os sacrifícios. Se queremos nos formar em tal curso, teremos que sacrificar nossas baladas da vida para ficar em casa estudando algumas vezes, se queremos comprar um celular novo, teremos que parar de gastar com bobagens no supermercado. São sacrifícios necessários. E é como dizem: há males que vem para o bem. Depois de um tempo, conseguimos entender que desistir é melhor do que não tentar. Não acha?

    Beijos,
    Blog Gaby Dahmer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro comentários grandes e empolgados com o assunto ♥♥

      O mais importante de tudo isso é que você teve coragem de largar mão das coisas importantes para perseguir um sonho. Claro que poderia ter sido melhor, poderia ter sido real, mas talvez aquilo não devesse ser. Não era pra ser seu sonho. E, mais ainda, você também teve coragem de admitir para si mesmo que as coisas poderia estar muito melhores, então optou por ir embora e recomeçar. A gente acaba deixando de lado uma coisa, mas a vida sempre nos presenteia com inúmeras outras possibilidades, basta que tenhamos visão para ir além daquilo que nos acostumamos. E sim, "não há bônus sem ônus" ♥ Desistir nem sempre é sinônimo de fraqueza, às vezes é só nosso coração nos dizendo que está errado.

      Excluir
  3. Oi Kelly
    Eu já tive muito medo de recomeçar. Já continuei em relacionamentos por puro comodismo. Hoje em dia, se não estou feliz, primeiro eu tento me afastar para ver o que estou sentindo. Se eu sentir falta, eu descubro que aquilo é pra mim. Se eu me sentir melhor sem, eu deixo ir, ou mando ir.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tão melhor quando a gente sabe o que está fazendo e consegue ter a certeza de que isso ou aquilo não nos cabe. Apesar de ser complicado lidar com os sentimentos, vale muito mais sair do comodismo do que permanecer por medo do novo.

      Excluir
  4. Eu sempre gostei da zona de conforto. Ela é segura, sem muitas surpresas e ao mesmo tempo que me sentia incomodada em permanecer ali, não queria sair. Aos poucos fui lutando e saí, as coisas não estavam funcionando.
    É difícil, principalmente quando no meio há pessoas que não compreendem que pra gente é melhor abrir mão do que permanecer.
    Como sempre, amei o texto.
    Beijo enorme ♥️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito complicado no começo. A gente fica sem saber o que fazer ou qual passo deve dar para seguir a diante, mas depois tudo vai se encaixando. É uma questão de paciência, sabe? Espero que você consiga sair dessa zona algum dia, porque, por mais que seja confortável e seguro, nada é tão bom quanto saber que podemos mais ♥

      Excluir
  5. Oi Kelly!
    Nossa, fiquei surpresa com a maneira que teu texto dialogou comigo, com o momento atual que estou vivendo.
    Nunca fui adepta à mudanças e acho que no mundo ninguém se sente totalmente confortável com o novo - ainda que seja empolgante, mas no meu caso sempre foi algo além do desconforto... Pra ser sincera beira o pavor.
    Sinto que estou prestes a tomar uma decisão crucial que influenciará diretamente no meu futuro e sei qual é a melhor opção para mim, porém só de pensar nos riscos que corro ao deixar algo para trás me sinto incapaz. Tenho estado exatamente como você falou: em banho maria.
    Espero ter forças para recomeçar e me dedicar 100% aos meus sonhos - que são muitos! - e dependem das minhas escolhas.
    Obrigada pela reflexão... Foi uma bela forma de iniciar minha segunda-feira.

    Beijos,
    Me chama de Bella
    Isabella Proença Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia saber disso ♥ Não tenha medo de fazer escolhas. Se sabe que é a melhor coisa para você no momento, faça sem medo, sem receio de dar errado ou virar sua vida de cabeça para baixo. Já pensou que talvez isso seja ainda melhor? E se essa mudança te proporcionar momentos incríveis? Se você deixar passar, talvez não vivencie o que poderia ser algo maravilhoso.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤