04 julho 2017

Em Águas Sombrias, de Paula Hawkins

Faz um tempo que ando me arriscando em outros gêneros literários, como os de suspenses e os de terror, mas, cá entre nós, só o primeiro grupo conseguiu me conquistar por enquanto. Ao mesmo tempo em que sinto vontade de conhecer todas as histórias possíveis de suspense, também tenho receio de me ligar de alguma forma com os personagens, uma vez que grande parte deles sofre de problemas psicológicos graves ou induzidos e os sentimentos são narrados de forma intensa. Há detalhes em excesso, até mesmo para mim, que adora interpretar as entrelinhas. No entanto, recebi alguns livros diferentes nesse primeiro semestre, incluindo Em Águas Sombrias, e ando treinando ao máximo minhas habilidades de interpretar os fatos. Querem saber um segredo? Eu tô adorando embarcar nessas histórias.
Jules nunca imaginou que teria de voltar para a cidade estranha e repleta de mistérios que a assombrou durante a infância e a adolescência. Nel, sua irmã, vivia ligando, mas nunca pronunciou um mero pedido de desculpas sobre o incidente que a marcou profundamente. Jules evitava qualquer contato com a família e com as pessoas que fizeram parte da sua antiga vida, mas, agora, Nel está morta. Jules recebeu a notícia de repente, e só se deu conta do que estava acontecendo quando precisou pegar suas coisas e voltar para a velha Casa do Moinho, já que, no dia seguinte, deveria visitar o corpo de sua irmã morta para fazer o reconhecimento.

Título: Em Águas Sombrias
Autor: Paula Hawkins
Páginas: 364 páginas
Editora: Record
❤ Livro cedido em parceria com a editora
Nos dias que antecederam sua morte, Nel ligou para a irmã, mas Jules não atendeu o telefone e simplesmente ignorou seu apelo por ajuda. Agora, Nel está morta. Dizem que ela se suicidou. Jules, então, foi obrigada a voltar ao único lugar do qual achou que havia escapado para cuidar da filha adolescente que a irmã deixou para trás. Mas ela está com medo, um medo visceral de seu passado há muito enterrado, da velha Casa do Moinho, de saber que Nel jamais teria se jogado para a morte. Acima de tudo, ela está com medo do rio, e do trecho que todos chamam de Poço dos Afogamentos.
Beckford é uma cidadezinha simples onde todo mundo se conhece, mas são os mistérios do Poço dos Afogamentos, um rio em meio as casas, que faz os moradores do lugar terem uma conexão. Nel não foi a primeira mulher a ser encontrada morta dentro das águas do rio, muito pelo contrário, houveram várias antes dela. Aliás, elas eram motivo de estudo da própria Nel, que era fascinada pelas histórias por trás das mortes. No entanto, Jules não consegue acreditar que a irmã tiraria a própria vida para entender a sensação das mulheres encrenqueiras. Nem ela, nem Lena, filha de Nel, acreditam na teoria do suicídio. Para Lena, havia algo a mais por trás da morte da mãe, mas ela era incapaz de conseguir resolver o caso sozinha. No entanto, sua tia não parecia disposta à encontrar respostas. Ela era a dúvida em pessoa.

Enquanto Lena conhece o íntimo das pessoas que viveram para contar as histórias das mulheres mortas, assim como todo projeto de sua mãe, Jules, por outro lado, não faz ideia de como seguir em frente. Tudo ao seu redor lhe parece como um aviso de que algo está errado e de que a morte de Nel não foi uma simples tragédia, foi pressentido. Assim, ela precisa retroceder e contar todos os passos da irmã até o momento final, enfrentando seus maiores medos e vivenciando cenas do passado para tentar encontrar uma forma de se conectar com as últimas atitudes de Nel. Será que ela realmente cometeu suicídio? O que a levaria pensar nisso? 
Em Águas Sombrias é um thriller bastante peculiar, desses que fogem do clichê. Eu comecei a leitura sem expectativas, já que imaginava a história traçada por completo logo no início, dando pistas do que poderia ter acontecido com Nel, mas me surpreendi comigo mesma, suspeitando de inúmeras pessoas ao mesmo tempo. Aí alguém me pergunta: por quê? A explicação é simples: a narrativa é dividida entre vários personagens (pelas minhas contas, são dez, mas li resenhas falando em catorze, portanto, deixo em aberto rs) e isso confunde muito o leitor no começo, já que são pontos de vistas diferentes, opiniões distintas e um punhado de achismos por trás da investigação. No entanto, quando a leitura começou a tomar forma, me vi submersa na história, querendo saber exatamente todos os detalhes do passado.

Como ainda não havia tido contato com a escrita da autora, também fiquei com receio de me decepcionar, mas ela é incrivelmente detalhada, por vezes até cansativa, mas faz com que o leitor mergulhe de cabeça no cenário descrito, o que me ganhou fácil. Além disso, seus personagens são muito únicos, trazendo características próprias que os diferem e agrega à história a sensação de realidade. 
Li algumas opiniões bastante negativas sobre a obra, mas em grande parte não concordo com os pontos ressaltados, como a confusão. No começo, distinguir os personagens é um pouco complicado, sim, mas a história se desenrola com simplicidade. O fato é que o leitor precisa estar atento à todas as cenas, pois a narrativa é complexa e requer atenção integral. Além disso, também li comentários sobre a superficialidade do contexto, o que também não percebi, uma vez que a intensidade está presente em todos os acontecimentos. Talvez, o único ponto negativo que me vem em mente é a minuciosidade em excesso, mas isso não tira a qualidade da obra.

Tanto a diagramação quanto o conteúdo em si me conquistaram e encantaram. Certamente vou levar a história no coração por muito tempo, fazendo questionamentos internos sobre um final devastador e insano. Sei que muitas pessoas lerão este livro e não entenderão sua intensidade, mas aconselho quem quer que esteja lendo esta resenha que tente, pelo menos uma vez, conhecer melhor o Poço dos Afogamentos. Eu terminei a leitura com uma sensação estranha de incompreensão, mas então entendi que nem todas as histórias são feitas para serem criticadas. Algumas, como neste caso, são lições.

4 comentários:

  1. Já tem semanas que esse livro está na vitrine da Saraiva e sempre passo o encarando me perguntando se valeria a pena ler. Obrigada pela resenha! Agora fiquei mega curiosa de entrar na história.

    Um beijo enorme ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale super a pena ler e conhecer a história melhor ♥ Eu fiquei em dúvida no começo da leitura, achando que não seria nada demais, mas me surpreendi. Espero que possa ler em breve.

      Excluir
  2. Olá Kelly!

    Em primeiro lugar parabéns pelo carinho e cuidado com as informações e com o detalhamento da resenha. Gostei muito do post e como gosto do gênero fiquei entusiasmado para ler!

    Um abraço! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, fico feliz que tenha se empolgado para ler ♥ Muito obrigada pelas palavras. Espero que possa ler em breve e que goste da história.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤