01 junho 2017

Para onde vai o amor?

Veja bem, moreno, o amor não vai para lugar algum. Quando é amor mesmo, quando é puro sentimento, quando as pernas tremem, as mãos soam, o coração acelera e as palavras falham, ele não vai embora. Há quem diga que essa teoria não existe, afinal, um dia você vai se permitir amar outras pessoas, mas se conseguir parar por um segundo para pensar no assunto, perceberá que há inúmeras formas de amor, e cada uma delas se encaixa com uma única pessoa. Você não consegue amar duas vezes da mesma forma, sabia disso? Infelizmente a gente só descobre depois de já estar com milhares de borboletas no estômago. Mesmo quando tudo conspira contra, o amor dá um jeitinho de ficar ali. De ser lembrado. E é eterno.
Você pode me chamar de antiquada, moreno, mas nós dois sabemos disso. Nós sabemos cada detalhe que nos foi permitido. Nós sabemos que quando se gosta de alguém tanto assim, os dias são mais coloridos, os doces são mais açucarados, as palavras ficam mais leves, os carinhos se tornam constantes, as pupilas dilatam e nada no mundo pode destruir essa felicidade. Nos tornamos mais fortes, mais capazes. Viramos super-heróis se for necessário. Pegamos a dor da outra pessoa e colocamos no nosso bolso, só para conseguir ver um sorriso. Damos bom dia ao porteiro carrancudo, ao chefe mal-humorado e até para aquela tia chata que vive reclamando da vida. Nos tornamos verdadeiros. Humanos.

Mas o amor, meu bem, ele não é assim tão fácil quanto parece. Há dias em que ele resolve tirar férias e nós temos que suportar por um tempo, mas é como diz a música, sem amor, nada seríamos. Há momentos também em que ele gera ódio, rancor e insônia, mas quer saber de um segredo? Isso só acontece com quem não se permite amar. Pode soar muito bobo para quem quer que seja, mas se você não se permite, como pode o amor fazer morada? Vai por mim, quando você se fecha, a dor de cabeça é infinitamente maior.

Agora, quando não é amor, pode parar em qualquer lugar. Vai parar na esquina do vizinho, na casa em frente, no ombro do colega ao lado, em um final de semana qualquer ou até vir na sua direção, só que, diferentemente do amor, ele passa. Vai embora. É um disfarce. E dói, machuca, abre uma ferida imensa no peito, mas se fecha depois. Se torna cicatriz.

O amor não passa, moreno. Não cicatriza. Ele fica ali grudadinho contigo até você saber que isso é a coisa mais importante do universo. Ele deixa uma abertura no peito só para você se lembrar do que está guardando. Vai doer mesmo depois de anos. Vai continuar machucando mesmo surgindo outros e outros amores. É horrível, sei disso. Não tenho motivos para convencer ninguém e nem a mim mesmo, mas quem é que precisa disso? Cada um sabe o que sente. Um dia a gente aprende a suportar e seguir em frente, mas enquanto isso, ele fica aqui comigo, com você, com a gente e com quem quiser tê-lo como companhia. O amor, moreno, se recusa a ir embora. Quem vai embora são as pessoas. O amor permanece. Sempre.

6 comentários:

  1. "Quem vai embora são as pessoas. O amor permanece. Sempre." Exatamente! As pessoas acabam indo embora das nossas vidas, mas o amor e nossos sentimentos em relação a elas sempre permanecem. Lindo texto.

    https://lenabattisti.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É impossível não permanecer se é de verdade, não é? O amor sempre fica depois de qualquer coisa ♥ Fico feliz que tenha gostado do texto.

      Excluir
  2. A mais pura verdade sobre o amor, ele permanece. E não importa o quanto tentemos retirar ele de lá, do fundo do nosso coração, ele gruda igual chiclete, crava as unhas para nunca mais soltar. O amor nos mostra muitas coisas bonitas e, as vezes, o amor também dói. Mas é a vida, né? Eu já tentei muito me desfazer, me livrar de um amor, mas percebi que, mesmo depois de muitos anos, ele permanece em mim. Mesmo que eu nunca mais tenha visto a pessoa, que mal saiba sobre a vida dela, mas o sentimento tá aqui, me lembrando o quanto fui feliz num certo tempo. Mostrando que, um dia, eu fui agraciada pela vida e senti o que era amar de verdade.

    Beijos,
    Última postagemBlog Gaby DahmerFanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade, Gaby. O amor é como uma raiz forte, ele fica cravado no nosso peito e permanece até virar saudade. É muito bom saber que pensa dessa forma e que teve uma experiência quanto a essa sensação, afinal, nada melhor do que aprender errando, não é? E sim, saber que tivemos a chance de amar é muito mais gratificante do que nunca ter tido a oportunidade de conhecer o amor ♥

      Excluir
  3. Como sempre... texto. A delicadeza que tu escreve é encantadora. Sério! Amo quando as pessoas falam do amor de forma sincera, com muito sentimento e suavidade.
    Engraçado como essa coisa do amor funciona, ainda que as pessoas nos deem as costas, o amor permanece ali, intacto. Algumas vezes adormecido, mas nunca se vai. Para alguns é insuportável, mas pra mim é bom saber que continuo amando mesmo a pessoa tendo partido. Sei lá porque...

    Um beijo enorme ♡
    www.quaseaurora.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também tenho essa sensação, sabia? É importante pra mim saber que alguma coisa aqui dentro se manteve firme e forte, mesmo com todas as pancadas recebidas. O amor é aconchego sempre, e é pra ele que recorremos quando nada mais se encontra no lugar ♥ Muito obrigada pelo carinho e pelas palavras.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤