22 março 2017

Bolha do amor próprio

Passei anos dentro de uma bolha invisível, dessas bem espaçosas que ocupam um quarteirão inteiro. Uma bolha transparente e meramente ilustrativa que me afastava de qualquer coisa imaginável da qual pudesse me tocar. Uma bolha que fiz questão de estourar por conta própria, sugar o gás de dentro e sair por aí falando com uma voz engraçada. Uma bolha que me privou das palavras mais ásperas e de críticas não construtivas, mas que também me tirou o chão e as rédeas da minha vida. Não consigo mais entrar nela, é como se fosse uma casinha de boneca e não coubesse alguém de um e sessenta lá dentro. Não há espaço nem para mim, talvez já estivesse na hora de ir embora.
No começo, senti um calafrio horripilante na espinha que me fez tremer dos pés à cabeça, morrendo de medo do que encararia aqui fora, desprotegida. Foi como se me deixassem na estrada no meio do nada, apenas com uma grama bem verde e um sol escaldante que indicava minha solidão na sombra da areia. Foi como mergulhar em um mar repleto de tubarões pronta para ser comida viva. Foi como passear pela floresta durante a madrugada, tendo a certeza de que estava sendo perseguida. Era somente eu e minha consciência, o que eu faria caso ela me deixasse também?

Esse pé atrás durou pouco tempo, ou pelo menos acho que sim. Quando dei por mim, tinha aceitado todos os meus erros, todos os meus acertos, todas as minhas manias chatas, todas os meus gostos estranhos, todo o meu corpo não trabalhado, todo o meu jeito sem jeito. Enquanto ainda era só uma bolha, me enxergava no espelho como um borrão, tampado por uma leve camada de proteção, que, na realidade, não me protegia. Um borrão que se escondia atrás de fios soltos do cabelo ao vento e de maquiagens saídas de um filme de terror. Um borrão que não fazia ideia do que era ou do que sentia.

Sair da zona de conforto é como entrar para uma batalha, você precisa estar cem por cento certa de que está pronta para enfrentar os inimigos e, mesmo que eles vençam, terá coragem de tentar novamente. O amor próprio é igual a uma guerra, só que não há outros alistados, é somente você consigo mesmo travando uma briga que pode durar anos, ou dias, isso depende do quanto sabe sobre seu adversário. Convenhamos que se não tiver a mínima ideia de onde está se metendo, é melhor rever suas prioridades, elas estão totalmente erradas. Furar essa grande bolha que o envolve é como se livrar de algemas pesadas: todo o peso fica para trás. Se amar é poder se sentir leve, apesar de tudo ou qualquer coisa.

O amor próprio não nasce em uma árvore no centro da cidade, não é vendido na mercearia da esquina e nem se pode pedir pelo correio, ele já vem com a gente, intacto e pronto para o uso, no entanto, as ferramentas que nos cercam o fazem enferrujar, quase como se fosse uma grande máquina velha e inútil, mas não é. A partir do momento que você tem peito para entrar em território desconhecido, aceita suas condições e consequências, tudo se torna mais fácil. Não posso dizer com convicção que já fiz meu amor próprio de aliado, mas tenho trabalhado muito nisso, com paciência e cuidado, como deve ser.

24 comentários:

  1. Sempre bom entrar nessa bolha né? Muitas vezes nós não gostamos de nós mesmas o tanto que deveríamos e acabamos nos deixando levar pelos outros ou mais precisamente pelo que pensam sobre nós. Amei o texto, como sempre <3 Um beijo :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade, moça. Nós paramos de enxergar o que realmente somos e o que nos agrada para dar chance a críticas não construtivas. É uma pena. Seria ótimo poder entrar sempre nessa bolha ♥

      Excluir
  2. O meu amor próprio precisa ser mais constante. Ele vem variado muito. Tem dias que ele nem aparece e em outros eu sou toda dele. Venho trabalhando nisso.
    Lindo seu texto

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tente praticá-lo com mais frequência, tenho certeza de que, aos pouquinhos, tudo vai se ajeitando e ele vai se tornar um grande aliado ♥

      Excluir
  3. forte, bonito e necessário. as pessoas precisam encontrar-se no amor para aprender a amar. O mundo seria outro.


    bjs
    www.blogmodelando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso, moça. Precisamos aprender a nos amar para depois amar os outros ♥

      Excluir
  4. Aquele texto que te faz encher os pulmões e sentir uma confiança invencível. Sempre tive muito amor próprio, mas num passado não muito distante, fui perdendo ele, perdendo a confiança em mim mesma, me perdendo... Até chegar naquele ponto crítico em que temos uma escolha: falamos chega! ou deixamos a vida nos consumir. Eu disse chega e hoje estou nessa batalha intensa de manter meu amor próprio intacto e minha auto estima elevada. Não é fácil, ainda mais nos dias de hoje, que as pessoas criticam demais e ofendem com isso. Mas sigo em frente, pois se eu cair, tenho a consciência de que devo sempre levantar de queixo erguido.

    Vou compartilhar o post pois quero que mais pessoas leiam. Sempre me perguntam como eu superei términos de relacionamento ou como superei as decepções da vida, minha resposta é sempre a mesma, me vesti de amor próprio e fui feliz. Pois com ele, o restante não dura muito tempo, principalmente a infelicidade.

    Beijos,
    Última postagemBlog Gaby DahmerFanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É complicado, né? Existe uma pressão gigantesca em cima desse assunto, então ficamos meio sem saída quando estamos travando uma batalha, mas posso te afirmar que logo essa luta termina e vocês dois se tornarão grandes aliados rs. As pessoas sempre irão nos ofender com alguma coisa, principalmente quando se trata da aparência ou do que somos e do que poderíamos ser, mas não devemos escutá-las. É desgastante e doloroso. Só você sabe o que é e o que representa ♥ Fico bem feliz que tenha gostado e queira compartilhá-lo com outras pessoas.

      Excluir
  5. Menina, esse post me caiu como uma luva sabia? Há pouco tempo eu resolvi assumir meu amor próprio e sair da bolha (a qual eu chamo de minha ostrinha)... mas sair daquele conforto não é fácil realmente... nossa! Qtas e qtas vezes eu queria voltar pra minha ostrinha,fechar td e não falar com mais ninguém! Depois que saí tenho a impressão que o mundo é mt maior do que eu pensei... e com ele tem tb um mundo de críticas e pessoas que acham que sabem de td, que sempre querem derrubar a gente, mtas vezes por mero prazer de nos ver derrotados... Lutar contra isso ainda está sendo um dilema, mas que aos poucos estou aprendendo a lidar e a vencer esses medos que me cercam... "tamo jt" nessa batalha! :)

    www.mundinhodahanna.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apelido amorzinho rs ♥ Realmente é complicado sair do quentinho e se deparar com um punhado de coisa ruim para lidar, como críticas e julgamentos sem nexo, mas vale muito a pena se descobrir e saber que há um mundo de possibilidades além daquela bolha de conforto. Espero que consiga superar esses medos, tenho certeza de que eles te farão mais forte e confiante.

      Excluir
  6. Que texto maravilhosoooo ! Demora para aprendermos que o amor próprio vem antes de tudo. Você não pode amar o outro se vc não se amar primeiro. Seu texto é inspirador. ❤️

    O Mundo de Eulália

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é mesmo. Amar outra pessoa só passa a ser possível depois que aprendemos a nos amar por conta própria. Fico bem feliz que tenha gostado ♥

      Excluir
  7. Por um bom tempo eu era pura como um bebê, acreditando no melhor de todos e que todos me receberiam de braços abertos e me amariam. Com cada tropeço e decepção isso foi me amargando, amargando, amargando até que eu decidi parar de me importar. De uma forma bruta mesmo. Mas virei um robô. E sair desse estado doeu e demorou. Depois disso tudo voltei a doer incessantemente. Ai que eu decidi filtrar tudo e depender só de mim. Tudo mudou, ainda não estou 100% mas um dia chegarei lá!
    www.rumorandhorror.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente isso acontece com a gente em algum momento da vida, né? Nós acabamos fechados por conta dos sentimentos ruins e fazemos disso o que realmente somos: pessoas amarguradas e frias. Mas depois, felizmente, aprendemos que isso está fora de contexto. A vida é muito mais do que algumas decepções sentimentais e emocionais. Quando aprendemos a filtrar, aprendemos a valorizar o que a vida nos proporciona ♥

      Excluir
  8. É como aquele chacoalhão que a gente precisa de vez em quando pra reanimar e nos fazer levantar e voltar para o campo de batalha e continuar a luta.
    Gostei muito do texto e das comparações que você fez.
    A gente sacode a poeira e continua a caminhada ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuar é o que temos que fazer, não importa sobre o que ♥ Fico bem feliz que tenha gostado do texto e das referências, é ótimo saber disso.

      Excluir
  9. Achei o texto super íntimo e intenso. Tem sentimento em cada linha que você escreveu. Me identifiquei bastante e adorei essa ideia da bolha. O texto realmente ficou impecável. O amor próprio é o amor que eu considero mais importante. Beijos e parabéns pelo texto.
    www.brincandodeolivia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente vive dentro de uma bolha diariamente, não é? Isso acontece com qualquer coisa que nos cerca, desde sentimentos até relações. Fico bem feliz que tenha gostado do texto, de qualquer forma ♥

      Excluir
  10. Todas as pessoas deveriam ler esse texto! Demorei muito para me aceitar, me amar, até que um dia percebi que não dá pra ser quem eu não sou. É desconfortável no começo conseguir enxergar quem realmente somos, mas quando entendemos e aceitamos qual nossa essência, tudo fica simples <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente demora mesmo, parece que a vida nos mostra sempre o contrário, sempre aquilo que está errado, que nos faz mal, mas tem tanta coisa boa envolvida ♥ Precisamos aprender a nos enxergar.

      Excluir
  11. Oi lindona! Que texto incrível! Sair da bolha é mais difícil do que parece, mas quando saímos, nos perguntamos porque não o fizemos antes. "Se amar é poder se sentir leve, apesar de tudo ou qualquer coisa." Além de sentir leve é viver leve! É uma liberdade que muitos de nós, infelizmente, ainda não experimentaram. E talvez nunca experimentem. Parabéns pelo texto! Compartilhei com uma amiga.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente o que você falou é muito real. Muitas pessoas talvez nem experimentem essa liberdade e leveza. Mas só nós podemos proporcionar essa sensação ♥ Se amar é sempre um ponto positivo sobre qualquer outra coisa.

      Excluir
  12. Oi Kelly, tudo bem? Sair da zona de conforto é um desafio o qual muitas pessoas as vezes não conseguem vencer. Sair significa vencer medos, enfrentar o mundo, nos arriscar, e fazer coisas que nunca fizemos antes, realmente isso assusta a maioria das pessoas. Mas devemos amadurecer, enxergar as oportunidades que aparecem quando nos abrimos à vida, e claro perder o medo de experimentar tudo novo. Ótimo texto, precisava "ouvir" algumas dessas palavras. Ótima semana pra você! Beijos, Érika ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enxergar a nós mesmos em primeiro lugar, sempre ♥ Sair da zona de conforto é complicado e doloroso em um primeiro momento, mas depois que vemos o que estávamos perdendo, muita coisa muda dentro da gente, principalmente quando se trata de olhar para si com outros olhos.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤