04 julho 2016

Carta ao editor

Nunca consegui me imaginar escrevendo um livro. Parece ser a coisa mais complicada do mundo, mesmo tendo total intimidade com a escrita. Fico imaginando que talvez leia uma ou duas páginas da minha história e coloque na velha pilha de livros que nunca serão publicados. Talvez goste do tema e se arrisque com alguns capítulos. Talvez se apaixone por completo, quem sabe pelos personagens, pelos cenários, pelos momentos ou simplesmente por algo inacreditavelmente inexplicável. Já pensei tantas vezes em lhe enviar um e-mail, por mais simples que seja, contando um pouquinho desse sonho quase inalcançável. Já pensei nas vezes em que veria meu nome estampado em uma seção da livraria. Gostaria de ter coragem o suficiente para lhe escrever de verdade.
Não que isso seja difícil, afinal, todo mundo tem acesso a intimidade das outras pessoas hoje em dia, mas alguma coisa me diz para ter paciência. Provavelmente ainda me resta muita coisa para aprender nesse mundo literário. Ainda vou conquistar habilidades que jamais imaginaria fazerem parte do meu currículo. Já aprendi algumas, admito. Tento colocá-las em prática toda vez que vejo uma folha em branco na minha frente. Muitas vezes até o guardanapo da cafeteria já me serviu como alvo. Às vezes observo de longe uma pessoa ou outra me encarando como se me intitulasse o ser humano mais ridículo da Terra, com uma loucura própria que não se encaixa em lugar nenhum.

Em contrapartida, também já observei uma pessoa ou outra me olhando com um sorriso. Talvez entendam minha caligrafia, ou achem engraçado a quantidade de guardanapo em cima da minha mesa. Mas por algum motivo, as críticas sempre acabam me afetando mais. Elas me pegam pelo pescoço e me fazem sair das nuvens. Às vezes tenho a certeza de que isso é impossível. Só que aí me lembro de Alice no País das Maravilhas. Lembro das seis coisas impossíveis antes do café da manhã e repito comigo mesma que posso fazer isso. Já matei alguns jaguadartes com esse pensamento. Felizmente eles nunca voltaram para me atormentar depois. Infelizmente aparece um novo todos os dias.

Mas isso não é nada. Com o tempo a gente aprende que todo escritor é incompreendido de alguma forma. Eu não chego nem mesmo perto disso, mas como boa amadora da escrita que sou, reconheço minhas particularidades. Então continuo por aqui, com uma infinidade de guardanapos guardados, um caderninho na bolsa para emergências e um sonho bobo de quem quer tocar uma pessoa ou outra. Talvez esbarre com você pelas ruas da cidade. Provavelmente nunca saberá meu nome ou a existência dessa carta. Mas talvez, e somente talvez, você leia isso um dia. Quem sabe em uma publicação própria ou em uma livraria qualquer. Espero que não se zangue. Ainda acredito nas seis coisas impossíveis.

24 comentários:

  1. Como eu queria que minha coragem fosse maior que meu medo de tentar as vezes. E nesse caso, ele meio que predomina com milhões de receios.
    "Às vezes observo de longe uma pessoa ou outra me encarando como se me intitulasse o ser humano mais ridículo da Terra, com uma loucura própria que não se encaixa em lugar nenhum."
    Adorei a menção à Alice <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também queria, viu? As coisas seriam tão mais fáceis ♥ Que bom que gostou, moça. Obrigadinha.

      Excluir
  2. Que texto lindo! Eu adorei as referencias e me identifiquei muito com ele.
    Cheguei a fazer um post no daydream sobre a minha timidez em relação ao meu blog e a minha escrita, mas aos poucos to superando isso. Devagar, aos poucos, a gente vai conseguindo.

    Inferno ou Glória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um pouco complicado no começo, não é? Até hoje ainda sinto receio quanto a tudo isso, mas aos pouquinhos vamos nos soltando. Basta paciência ♥ Espero que consiga superar essa timidez.

      Excluir
  3. Esse texto é maravilindo,super me identifiquei.
    Te desejo todo sucesso do mundo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Kelly querida, eu já passei por isso. Nós que amamos escrever, temos uma paixão enorme pelo o que fazemos, nos dedicamos e temos as nossas obras como nossos filhinhos né? Cada texto cria uma expectativa dentro da gente, uma nova emoção, e claro, queremos que outras pessoas sintam o que sentimos, por isso tanta emoção ao querermos expor para alguém, ao querer que alguém se sinta tocado ao ler.

    Me identifiquei totalmente com tudo que você disse, e eu também tenho o sonho de publicar um livro. Que tudo dê certo para você, e que você consiga atingir seus objetivos!

    Beijos,

    Blog Senhorita Deise

    Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super concordo contigo, acredito que boa parte das coisas que escrevo são um pedacinho meu rs. Mas gosto dessa ideia ♥ É muito gratificante poder ver alguém se identificando com o que você escreve ou sentindo aquilo que sentiu ao descrever um acontecimento.
      Muito obrigada pelas palavras, e uma big sorte pra ti também. Espero que consiga publicar seu livro em breve ♥

      Excluir
  5. Espero que você consiga publicar um livro, mesmo com alguns obstáculos que aparecem no caminho. Afinal, essa sensação de ver seu nome numa livraria deve ser demais, né?
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  6. Muito bonito seu texto Kelly. Espero que tenha sucesso nessa área, se esse for seu desejo.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, moça ♥ Sucesso para você também.

      Excluir
  7. Entendo perfeitamente isso! Vivo escrevendo, tenho malas(isso mesmo, malas!) cheias de papéis de coisas que já escrevi, livros inacabados. A propósito sempre ando com lápis e papel na bolsa e tenho vários caderninhos. A maioria das críticas que recebi até agora foram positivas. Por outro lado minha família me acha uma completa louca, por, por exemplo, preferir passar dias escrevendo a sair com os amigos.
    Mas te digo uma coisa: No dia em que eu vê algum dos meus livros na prateleira, certamente será o dia mais feliz da minha vida, me sentirei realizada. Então vou poder mostrar para os meus críticos até onde consegui chegar e provar que talvez eu não seja tão louca assim.
    Parabéns e boa sorte, espero ainda encontrar esse texto em um livro algum dia <3
    ~Cami~ www.dudaecami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria muito de ler esses livros inacabados e papéis que guarda nas malas rs ♥ Infelizmente muita gente não entende esse lado escritor que nos domina de vez em quando, mas te garanto que quem precisa entender vai entender. E espero, de coração, que consiga realizar esse teu sonho. Um dia ainda vou encontrar teu nome nas livrarias também e vou ficar mega feliz por ti. Sério. Aliás, muito obrigada por compartilhar um pouquinho do teu sonho comigo ♥

      Excluir
    2. Boa tarde Duda & cami aqui é da editora chiado, sou o Felippe garanito. Quem sabe o dia mais feliz da sua vida não esteja próximo. Tem interesse em ver algum dos seus livros publicados? não perca tempo, arrisque.

      Excluir
    3. Então, segundo nosso amigo Felippe, o que nos resta mesmo é arriscar e torcer para que dê certo rs ♥

      Excluir
  8. Kelly, como eu queria que você pulicasse um livro, porque amo os seus textos e adoraria que mais pessoas conhecessem seus textos também.

    Beijos

    http://www.senhoritamarmelada.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que sonho, viu? Um dia ainda consigo ♥ Muito obrigada por esse carinho todo.

      Excluir
  9. Eu acabei de registrar meu primeiro livro e agora tô enviando pra editoras... Eu entendo o que você disse, mesmo nunca tendo sentido exatamente isso (sempre quis me ver publicada sem medos!), mas vou me permitir te falar uma coisa que sempre falo pras pessoas nessas ocasiões: não fazer vai te poupar da resposta negativa, sim, mas também poupa da positiva. E parece que não, mas ela é sempre muito maior e vale MUITO MAIS a pena de ser levada em consideração.
    Espero ver seus textos publicados um dia!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia ♥ Te desejo uma super sorte para que esse livro seja publicado. Também concordo com o que comentou, sempre digo para mim mesma que o não todo mundo já tem. Não custa nada tentar um sim de vez em quando, principalmente quando se trata de coisas importantes. Muito obrigada pelo incentivo, e mais uma vez, parabéns pelo livro ♥

      Excluir
  10. Sabe aquele texto feito por outra pessoa mas que parece ter sido escrito para você? É assim que me senti. A escrita é um mar, por ora é calmaria, em outro momento, revolta e agitação. A comparação com as seis coisas impossíveis de Alice foi perfeita, desde que assisti Alice Através do Espelho no cinema recentemente, apesar de não ser bem o foco do filme, esse pensamento não me sai da cabeça e, em consequência, o livro que eu amo tanto também não.
    E o que melhor me marcou no seu texto foi exatamente a palavra: paciência. O aprendizado é sempre constante e isso é bom sempre nos lembrarmos.
    E entendo completamente seus receios, é sempre engraçado eu me ouvir dizendo que quero ser escritora ou que desejo ver meu nome na capa de um livro ou de que é essa minha paixão. Geralmente parece inadequado quando colocado em palavras e, espero que, com o tempo, deixe de ser.
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice sempre nos deixa algumas lições valiosas. Até hoje tenho a maior admiração pela história e pelos personagens ♥ Acho que sem paciência não conseguimos nada. A conquista demora, seja de alguém ou de algum sonho. É importante demais ter essa percepção. Também espero que deixe de ser inadequado, viu?

      Excluir
  11. Sempre fico encantada com seus textos, você escreve lindamente, e eu só posso te agradecer por nos presentear com textos tão incríveis. Parabéns!

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que amorzinho ♥ E eu só posso agradecer por esse carinho imenso.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤