25 maio 2016

Entrevista: o jornalismo e o rádio

Escolher um curso na faculdade é uma tarefa complicada demais. E quando se tem algo em mente, mas a incerteza toma conta, fica mais difícil ainda. Muitas pessoas já vieram me perguntar sobre o curso de Jornalismo, mas eu não tenho uma experiência bacana para contar e dar aquele impulso de que tanto precisam. Então, esses dias, fazendo um trabalho para a faculdade, entrevistei uma radialista aqui de Florianópolis que é apaixonada pela profissão. A Fernanda é uma querida e me respondeu algumas perguntas sobre a vivência de um comunicador. Assim, para tentar ajudar e inspirar quem está nessa fase de não saber direito o que quer, pedi a permissão dela para publicar aqui no blog um trechinho da entrevista e compartilhar um pouquinho desse amor pelo Jornalismo.
Nome: Fernanda Marinho
Idade: 34 e há quatro na melhor década da sua vida.
Onde se esconde: Facebook, Instagram, Rádio Jovem Pan Floripa.
Naturalidade: São Paulo, zona norte.
Cinco coisas: música, café na primeira hora, mar, cachorros, família.
Tempo de profissão: há dez anos, oito no rádio.

Quando foi que você teve aquele “estalo” de saber que queria fazer jornalismo?  
Acho que o estalo veio junto com a palmada no bumbum que o médico me deu quando nasci. Não me lembro de ter pensado em outra profissão. Sempre, de um jeito ou de outro, estava envolvida com alguma atividade que, mais tarde, me direcionaria ao jornalismo.

Alguém te influenciou na hora de escolher a profissão?
Meu pai trabalhava na área administrativa de um grande jornal. Então, me lembro de frequentar a redação naquelas visitas abertas às famílias dos funcionários desde criança. Esse contato pode ter sido minha maior influência. 

Você gosta de trabalhar com isso?
Amo. Amor mesmo, sabe? 

O que ficou marcado na sua memória da época da faculdade?
Os grandes amigos que fiz. 

Geralmente um comunicador não pode misturar o pessoal com o profissional, mas todo mundo tem aqueles dias ruins em que tudo sai errado. Como é separar esses dois lados e fingir que está tudo bem para não contagiar o ouvinte?
Ah, essa é ótima! Tem dias ruins, sim, de cólica, de gente mal-educada no trânsito, de saúde frágil e de levar um pé na bunda do namorado. Já passei por tudo isso e, sinceramente, ao abrir o microfone, uma força do além toma conta da gente e, naquela hora, o único pensamento que tenho é que ninguém tem nada a ver com isso. Penso também que a minha voz é, em muitas vezes, a primeira ouvida por alguém do outro lado, e o tom dessa voz pode ser responsável, também, pelo primeiro sorriso do dia de uma pessoa. E isso é muita responsabilidade. É essa motivação que me faz esquecer qualquer problema.  

Há diferença entre o lado Fernanda pessoal e o lado Fernanda jornalista?
Ao mesmo tempo em que digo: sim, muita, eu mesmo me pergunto se há muita mesmo rsrs.. Mas acho que a principal diferença da Fernanda do rádio e da Fernanda que está aqui respondendo para você é que sou muito tímida.  

Como se sente com esse carinho de quem te ouve?
O carinho que recebo deles, que demonstram de maneiras diferentes, e sensacionais, é único e inexplicável de tão boa que é a sensação. Tem gente que sobe o Morro da Cruz para me levar café quando falo no ar que estou com fome rsrsrs. Assim como já fiz grandes amigos que conheci como ouvintes. Mas vou te confessar que eu mesma não me dou conta do número de pessoas que atinjo falando no rádio. Não tem sensação melhor para o ser humano do que se sentir querido. 

Já teve algum momento em que você estava entrevistando alguém, ou até mesmo conversando com um ouvinte, e ficou indignada com a resposta mas precisou respirar fundo e seguir em frente? Como conseguiu manter o controle?
Sim, a gente ouve de tudo, conversa com todo tipo de gente. O controle talvez venha do meu anjo da guarda, que está sempre do meu lado com o extrato de contas para pagar no final do mês.  

Você daria algum conselho para quem pensa em exercer o jornalismo?
Ser jornalista é pedreira, não tem glamour, não tem feriado, não tem salário tão bom assim em início (meio ou fim) de carreira. Mas tem histórias que te fazem crescer como ser humano, tem luz que te guia em dias nublados, tem textos que te forçam inteligência que, às vezes, vive preguiçosa aí dentro. E tem palavras que te emocionam, demonstrando, ou não, te fazendo baixar a guarda. E se der vontade de chorar, chore. Mas sempre, mesmo, deixem o coração os guiar. 

E para finalizar, o que é o jornalismo para você?
Paixão com todos os lados: os bons e os efeitos colaterais. Não vou dizer que pelo jornalismo é amor porque este tem que ser incondicional, e pode ser unilateral também. Mas entre a gente, eu e o jornalismo, precisam haver trocas entre as dores e as delícias de viver uma grande paixão.   

20 comentários:

  1. Gostei da entrevista, sempre é bom saber com uma pessoa que já faz aquilo o porque dela ter escolhido a tal profissão, pode ajudar muito na sua decisão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim, às vezes ficamos naquela eterna indecisão de por qual caminho seguir, mas saber um pouquinho da boca de quem já tem mais experiência abre um horizonte de opções ♥

      Excluir
  2. Quero muito fazer jornalismo. Meu sonho é trabalhar numa revista <3
    Mas, sabe quando o mundo inteiro parece estar contra você? (mãe, pai, irmão, cachorrinho...). Mesmo assim, vou continuar firme :D
    Adorei a entrevista; na faculdade onde quero cursar tem uma radia bem famosa por aqui e, nossa!, eu estou tão ansiosa para começar o curso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu compartilho do seu sonho, sabia? ♥ Quando comecei também não tive nenhum apoio. Todo mundo falava que eu estava escolhendo o pior curso possível, mas continue firme. Se você gosta e se identifica com o curso, vai em frente. Espero que dê tudo certo ♥ Aliás, boa sorte nessa nova fase.

      Excluir
  3. Eu tenho uma enorme paixão pelo jornalismo, vivo dizendo a meus pais que depois de terminar a faculdade de arquitetura vou parti para fazer jornalismo. E com essa entrevista a minha decisão de cursar jornalismo depois está mais que concreta.
    Beijos,
    www.hitsdomomento.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São duas áreas bem diferentes, mas se você gosta, faça mesmo ♥ Não posso dizer que me senti realizada com o curso, admito que tive minhas decepções, mas o aprendizado é enorme e vai valer muito.

      Excluir
  4. Eu acho linda a profissão! mas não acho que se encaixe comigo, mas admiro quem faz, eu adorei o post, é uma maneira de ajudar quem está em duvida se escolhe cursar jornalismo ou não, e também pra convencer mais ainda quem já se decidiu!
    Beijos
    http://leitoraemsagas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que ter muito amor mesmo, paixão. Acho que o Jornalismo se encaixa com poucas pessoas, apesar de estar cursando, também percebi que não é para mim, mas é uma profissão incrível ♥

      Excluir
  5. Sou estudante de Jornalismo também, e a cada aula que passa só tenho mais certeza de que é isso que eu quero para a minha vida! Pra mim, não existe uma área mais legal que a outra, todas as áreas que envolvem o curso são maravilhosas. Se eu pudesse, completaria esses 4 anos em 4 meses <3

    www.aconteceucomagente.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pensava assim no começo também, espero de coração que ainda sinta isso quando estiver quase se formando ♥ Aproveita bastante, porque o que você vai aprender dentro da faculdade, vão ser lições pro resto da vida.

      Excluir
  6. Eu gosto de jornalismo, talvez por ser uma pessoa bastante comunicativa. É uma área que eu me identifico muito e com certeza iria gostar muito, mas vim pra Fisioterapia e amo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Às vezes a vida tem desses, não é? A gente se identifica com uma coisa, mas ela não é pra gente. Acabamos parando em um outro lugar que tem mais a ver ♥

      Excluir
  7. Muito interessante a entrevista! Já quis cursar jornalismo, mas depois de um tempo vi que não tenho a paixão necessária. Entretanto a minha admiração pela profissão permaneceu.

    Me chama de Bella
    Isabella Proença

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, somos duas então rs ♥ Que bom que ainda admira. É mesmo uma profissão muito bonita.

      Excluir
  8. Kelly amei seu blog, as cores, tudo lindo e o projeto da faculdade também, este momento de escolher a profissão que te acompanhará por resto de sua vida é muito complicado, acho que todas faculdades deveriam ter um intensivão no primeiro período para os alunos terem certeza da escolha. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que delícia saber disso, saber que gostou daqui ♥ É complicado sim, dá uma dor de cabeça imensa, mas se não der certo de primeira, uma hora dá. E concordo quanto a ideia de dar uma base para os alunos, muitas vezes a gente chega com os olhos vendados.

      Excluir
  9. Adorei a entrevista. Acho que não tem coisa melhor do que a gente trabalhar com o que ama. Jornalismo é uma carreira linda. Beijos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, trabalhar com aquilo que gosta é uma realização única ♥

      Excluir
  10. Adorei a entrevista, nada melhor do que a gente trabalhar com o que ama né? Continue assim, arrasa <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom mesmo, a sensação deve ser maravilhosa ♥ Obrigada, moça.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤