30 março 2016

Tag: livros opostos

Eu tenho um amor por tags que vocês nem imaginam. Elas surgem do nada e trazem assuntos que você acaba nem pensando em escrever sobre. É estranho porque, até algum tempo atrás, as via como um meio de burlar a inspiração, mas hoje tenho uma visão completamente diferente. As literárias andam guardadinhas nos meus favoritos, e uma delas é essa. Eu não sei da onde veio ou quem a criou, mas vi em um blog e adorei a ideia. As perguntas são muito simples e diretas, o que é ótimo quando se trata de livros, já que geralmente a indecisão toma conta na hora de citá-los. Aliás, quem gostar e quiser responder também, pode ficar a vontade e se divertir, porque é uma tag bem bacana.

1. Primeiro livro da sua coleção x Último livro da sua coleção

O livro que deu início ao meu amor por colecionar foi A Última Música, do Nicholas Sparks. Já comentei diversas vezes por aqui que é uma das minhas histórias preferidas, então podem imaginar o quanto foi fácil se apaixonar pela escrita do tio Nick logo de primeira. Assim surgiu minha coleção de livros melosos e clichês. Agora o último da coleção, por enquanto, é Uma Constelação de Fenômenos Vitais, do Anthony Marra. Comprei essa coisinha fofa em uma promoção por dez reais, mas confesso que a capa foi o principal motivo dele me ganhar. Ainda não tive oportunidade de lê-lo, mas a sinopse já me chamou bastante atenção. Parece ser interessante. Então, assim que ele sair da estante, prometo fazer uma resenha bonitinha.

2. Um livro que você pagou barato x Um livro que você pagou caro

Ultimamente, com tantas promoções relâmpago, comprei diversos livros por um preço bem bacana, mas acho que a trilogia de Jogos Vorazes acaba ganhando nos dois quesitos. Eu comprei numa época em que o box estava em promoção, ou seja, metade do preço e a coleção completa na estante. Só que ao mesmo tempo paguei caro, porque os três livros foram em torno de sessenta reais, o que é muito mais do que costumo pagar. Mas valeu a pena, afinal, se comprá-los separados, a conta acaba se tornando muito maior.

3. Protagonista homem x Protagonista mulher

Eu tinha um certo preconceito em ler livros narrados por personagens masculinos. Me sentia um tanto deslocada. Porém, atualmente, minha concepção virou de ponta cabeça e ando lendo mais livros assim do que de costume. Poderia citar vários, mas Quem é Você, Alasca?, do John Green, é um dos meus preferidos nesse quesito. Acredito que a história tenha se encaixado super bem com a narração feita por parte do garoto, sem contar que me surpreendeu de todas as formas possíveis. Já com uma protagonista mulher, cito Se Eu Ficar, da Gayle Forman, que também deixou a história com uma harmonia impecável pelo ponto de vista da própria personagem principal.

4. Leitura rápida x Leitura demorada

O livro mais rápido que li foi Zac & Mia, que conclui em apenas um dia. Um recorde. Ele traz uma história muito fofa sobre amizades e amores que aparecem de repetente e nos mudam por completo. É um dos meus preferidos, apesar de todas as críticas que estão por cima. Já o que me rendeu uma longa leitura foi Morte Súbita, da J.K. Rowling. Confesso que nem mesmo o li por completo, fui pulando diversas páginas e tentando entender o contexto de forma bem geral. Ele é extremamente confuso e a leitura não flui de jeito nenhum. Admiro demais a autora, mas essa obra não foi feita para mim.

5. Um livro com capa bonita x Um livro com capa feia

Admito que sou dessas que se apaixona primeiro pela capa, depois pela diagramação, pela organização e sinopse. Grande parte dos que tenho na estante são lindos, mas Amor Amargo me ganha. Fico namorando a capa sempre que olho pra estante. Ainda não consegui lê-lo, mas já sei que a história é muito boa por conta dos elogios. Agora mudando para o lado feio das capas, vou optar por Simplesmente Acontece. Eu não sei o que tem na capa desse livro que me deixa meio chateada. A imagem é ruim, a diagramação ficou desorganizada e o letreiro da capa é uma bagunça.

6. Um livro brasileiro x Um livro internacional

Não sou muito fã de livros nacionais, mas Surpreendente!, do Maurício Gomyde, é um dos que mais tenho ciúmes. A capa é linda, as frases são ótimas, a história é um amor, os capítulos são todos muito bem detalhados, e o autor fez questão de caprichar por completo na escrita. No quesito de livro internacional, escolho A Playlist de Hayden, da Michelle Falkoff, que conta a história de dois amigos, uma playlist e um suicídio. Ele é bem complexo, mas muito gostoso de ler, principalmente por se tratar de um assunto tão delicado de forma tão leve. Aquele peso dos momentos não estão explícitos e até são maquiados diversas vezes com humor.

7. Ficção x Não ficção

Acredito que boa parte dos livros que conheço são de ficção. São histórias preparadas e escritas conforme a imaginação do autor, portanto, vou escolher O Pequeno Príncipe. Esse foi um dos primeiros livros que li e que me marcou de uma forma bem peculiar. Atualmente ele está na moda e isso fez perder um pouco do encanto, mas continua sendo um dos melhores livros da vida. Já de não ficção, fico com O Diário de Anne Frank, que nada mais é do que um diário escrito por uma menina judia que escapava, junto com a família, dos olhos de Hitler. A história é real e foi baseada no próprio caderninho de Anne, que contava cada detalhe dos seus dias para quem quisesse ouvi-la. O objeto foi encontrado após a família ser apreendida.

8. Um livro fino x Um livro grosso

Passarinho, de Crystal Chan, foi um dos mais finos que já li. Terminei a leitura recentemente e senti como se a autora estivesse me abraçando com as palavras. Fiquei um pouco chateada quando percebi que poucos conhecem a obra. É um daqueles livros que eu gostaria de recomendar para todo mundo por tamanha inocência na escrita. Em questão de livros mais grossos, posso falar de Um Homem de Sorte, que apesar de não ser um dos mais extensos que tenho, é bem longo e requer muita atenção. É bem focado no romance e tem aquela pitada de açúcar, como sempre.

9. Um livro que te deixou feliz x Um livro que te deixou triste

Sabe quando você lê um livro e ele te muda completamente? Foi o caso de As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky, que mesmo sendo sobre um assunto bem polêmico e até difícil de lidar, mostra um lado totalmente diferente das crises psicológicas que muitas vezes enfrentamos. Ele me fez um bem enorme. Já no quesito de tristeza, gostaria de citar A Culpa é das Estrelas, mas já falei tanto sobre a minha paixão por esse livro que dessa vez vou ficar com Uma Curva no Tempo. É uma história comovente que mexe com o nosso emocional ao extremo. O livro me deu aquela sensação de vazio que é quase impossível de preencher. Me destruiu completamente. Mas é lindo.

10. Um livro meloso x Um livro de ação

Não consigo pensar em nenhum outro autor do que Nicholas Sparks para ilustrar um livro meloso. Entre tantos, acho que fico com Querido John. É um dos livros mais doces que conheço, sem falar na leveza e na história impecável de sempre. É um verdadeiro clichê ambulante. No quesito de livro de ação, devo dizer que vou ficar devendo um pouco, já que quase não leio histórias assim, mas acredito que a trilogia de Divergente pode retratar muito bem esse quesito. Boa parte da história é com cenas de ação e reação, sem focar muito no romance dos personagens. É uma trilogia incrível.

22 comentários:

  1. oi, oi.

    que tag mais amor! <3 não a conhecia, mas já adorei. já tenho de fazê-la em vídeo!

    assim como, peguei amor por colecionar livros a partir de "A última música". ganhei ele ede um professor em 2011 e até hoje tenho um grande apreço pela a história/livro. *-* tbm adoro "O diário de Anne Frank". li ele no colegial e chorei tanto. Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em vídeo deve ficar bem legal ♥ Acho que quem começa alguma coisa com Nicholas vai acabar pegando gosto, independente do que seja. Minha coleção de livros é um ciúmes que só, e esse é o que mais cuido aieaiuhe. Anne Frank também é ótimo. Me surpreendeu.

      Excluir
  2. Que legal essa tag, nunca tinha visto! Vou postar no blog também <3
    Amei as suas respostas!

    Beijos
    Inverno de 1996

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posta sim, vou adorar saber suas escolhas ♥ Que bom que gostou, moça.

      Excluir
  3. Muito legal a tag! Já li muitas resenhas sobre a Curva no tempo, e até hoje ainda não comprei. Bom saber dos livros, assim a gente conhece outras opções de leitura e acaba sabendo um pouco mais de você.
    www.pilateandosonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro incrível. Foi um caso de amor e ódio no começo, sem contar que o final destrói qualquer pessoa. Deveria dar uma chance, garanto que vai adorar ♥ E é verdade o que disse, quando vemos a lista de leitura de alguém, conseguimos saber um pouquinho mais da pessoa.

      Excluir
  4. Ha amo tags, quando é sobre livro aí não resisto.
    Gostei das suas respostas e concordo que Amor Amargo tem uma capa linda.
    Uma Curva No Tempo não chegou a me deixar triste fiquei surpresa com o curso que a história tomou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tags literárias são puro amor ♥ Amor Amargo é uma das capas mais bonitas. Ela é bem diferente do que nos acostumamos a ver. Agora Uma Curva no Tempo me deixou bem triste, juro. Não pela história, porque também me surpreendi no final, mas pelo vazio que ficou depois, sabe? De qualquer forma, é um livro ótimo.

      Excluir
  5. A Última Música também foi um dos primeiros livros da minha coleção, e o meu favorito do Nicholas Sparks. E realmente, essa capa de Simplesmente Acontece é muito feia, tem uma outra com o fundo branco que ficou melhor, mas ainda é com os atores do filme, até hoje não sei como é a original, rs
    E Constelação de Fenômenos Vitais tem uma capa amorzinho, fiquei curiosa ;)

    choveamoraqui.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, somos duas então ♥ A Última Música é meu xodó. Tenho o maior ciúme dele iuaheiuhae. Acho que Simplesmente Acontece não tem uma capa original. Acredito que o livro tenha sido inspirado no filme, e não o contrário, sabe? Também nunca vi sem os atores na capa, e ambas são muito feias. Uma pena.

      Excluir
  6. Oi, Kelly! Eu fui pesquisar mais sobre Simplesmente Acontece, e descobri que o nome do livro não é "Love, Rosie" como o original do filme, mas sim: "Where Rainbows End", a capa não é tão bonita, porém é bem mais legal que essas com os atores, haha, dá uma googlada aí! ;) Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que demais ♥ Eu nem tinha pensado na possibilidade de ter outro nome. Tremenda mancada, mas vou dar uma olhada sim, mil vezes obrigada pela dica aiuheiuahe.

      Excluir
  7. Acredita que eu nunca tinha visto essa tag? Mas ela é simplesmente linda. Gostei muito da ideia dela, e os seus livros realmente são beeeem opostos. O melhor foi a explicaçãozinha que você deu em cada categoria, acho isso super importante pra dar mais riqueza ao post. Gostei muito de conhecer um pouquinho da sua estante.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa tag é puro amor, também acho ela bem criativa ♥ Responda um dia, tenho certeza de que vai gostar. Fico bem feliz que tenha gostado, acho que quando a gente faz um post desse estilo precisa ter um toque mais pessoal, né? Isso dá outro sentido.

      Excluir
  8. Oi
    Eu também amo responder tags e acredite se quiser a primeira tag que eu respondi foi a "Livros opostos" e revendo o seu post ey lembrei que tem muitas coisas que eu responderia diferente agora.
    Eu também amo o livro "A última música " do Nicholas.Eu peguei ele na biblioteca e em um dia eu o devorei.
    Gostei tanto que recentemente comprei um exemplar desse livro para mim ♥

    Amei as suas respostas
    Beijos
    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que gostou e que já conhecia a tag, acho ela um amor ♥ Acontece de mudarmos de opinião quase sempre, principalmente quando lemos muito livros, mas é tão bom. A Última Música é uma história incrível, sou apaixonada por ela em todos os sentidos.

      Excluir
  9. adoro tags literárias! São ótimas para eu recebe novas indicações ^_^

    achei a capa de "Amor Amargo" super linda (mds quero ler!), e concordo com você quanto a capa de "Simplesmente Acontece": ela tá muito feita ;-;

    ah, eu comecei a ler "Um Curva no Tempo", mas não terminei porque achei o começo chato!

    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor amargo tem uma capa incrível, ela é toda trabalhada ♥ Uma Curva no Tempo é realmente muito chato no começo, porque é confuso, a escritora mistura muitas coisas, mas com o tempo vai melhorando as coisas. Espero que dê uma segunda chance.

      Excluir
  10. Oi Kelly, tudo bem? Você acredita que antes eu também pensava isso das tags? Achava que só respondia quem não tinha mais assunto ou criatividade para criar novos posts, até que vi o trabalho que dá você respondê-las, aí mudei minha opinião e comecei a gostar de responder. Tenho várias respondidas no blog e confesso que algumas foram bem trabalhosas haha Com relação aos livros o que dizer do Pequeno Príncipe? Acredito que todos deveriam ler pelo menos uma vez na vida, ele é simplesmente incrível. O livro mais extenso que li foi Se houver amanhã do Sidney Sheldon, tem quase 500 páginas e já li umas 5 vezes de tanto legal. Tenho vontade de ler As vantagens de ser invisível, mas ainda está na minha lista. Beijos, Érika <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As tags são um ponto de equilíbrio entre o ódio e o amor rs. Uma hora você ama e na outra não suporta mais vê-las nos blogs, mas são bem úteis quando a criatividade vai embora ♥ E sim, dá um trabalhão para responder, separar itens, ficar pensando o que é mais adequado para isso ou aquilo. Mas vale a pena. Pequeno Príncipe é um livro da vida, concordo que todos deveriam ler ao menos uma vez. Ele ensina tantas coisas boas ♥ Leia AVSI, a história é um pouco mais pesada, mas é maravilhosa.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤