25 fevereiro 2016

Para onde vai o amor?

Veja bem, moreno, o amor não vai para lugar algum. Quando é amor mesmo, quando é puro sentimento, quando as pernas tremem, as mãos soam, o coração acelera e as palavras falham, ele não vai embora. Há quem diga que essa teoria não existe, afinal, um dia você vai se permitir amar outras pessoas, mas se conseguir parar por um segundo para pensar no assunto, perceberá que há inúmeras formas de amor, e cada uma delas se encaixa com uma única pessoa. Você não consegue amar duas vezes da mesma forma, sabia disso? Infelizmente a gente só descobre depois de já estar com milhares de borboletas no estômago. Mesmo quando tudo conspira contra, o amor dá um jeitinho de ficar ali. De ser lembrado. E é eterno.
Você pode me chamar de antiquada, moreno, mas nós dois sabemos disso. Nós sabemos cada detalhe que nos foi permitido. Nós sabemos que quando se gosta de alguém tanto assim, os dias são mais coloridos, os doces são mais açucarados, as palavras ficam mais leves, os carinhos se tornam constantes, as pupilas dilatam e nada no mundo pode destruir essa felicidade. Nos tornamos mais fortes, mais capazes. Viramos super-heróis se for necessário. Pegamos a dor da outra pessoa e colocamos no nosso bolso, só para conseguir ver um sorriso. Damos bom dia ao porteiro carrancudo, ao chefe mal-humorado e até para aquela tia chata que vive reclamando da vida. Nos tornamos verdadeiros. Humanos.

Mas o amor, meu bem, ele não é assim tão fácil quanto parece. Há dias em que ele resolve tirar férias e nós temos que suportar por um tempo, mas é como diz a música, sem amor, nada seríamos. Há momentos também em que ele gera ódio, rancor e insônia, mas quer saber de um segredo? Isso só acontece com quem não se permite amar. Pode soar muito bobo para quem quer que seja, mas se você não se permite, como pode o amor fazer morada? Vai por mim, quando você se fecha, a dor de cabeça é infinitamente maior.

Agora, quando não é amor, pode parar em qualquer lugar. Vai parar na esquina do vizinho, na casa em frente, no ombro do colega ao lado, em um final de semana qualquer ou até vir na sua direção, só que, diferentemente do amor, ele passa. Vai embora. É um disfarce. E dói, machuca, abre uma ferida imensa no peito, mas se fecha depois. Se torna cicatriz.

O amor não passa, moreno. Não cicatriza. Ele fica ali grudadinho contigo até você saber que isso é a coisa mais importante do universo. Ele deixa uma abertura no peito só para você se lembrar do que está guardando. Vai doer mesmo depois de anos. Vai continuar machucando mesmo surgindo outros e outros amores. É horrível, sei disso. Não tenho motivos para convencer ninguém e nem a mim mesmo, mas quem é que precisa disso? Cada um sabe o que sente. Um dia a gente aprende a suportar e seguir em frente, mas enquanto isso, ele fica aqui comigo, com você, com a gente e com quem quiser tê-lo como companhia. O amor, moreno, se recusa a ir embora. Quem vai embora são as pessoas. O amor permanece. Sempre.

12 comentários:

  1. Ameii o texto Kelly,é bem isso mesmo,o amor não vai embora,ele permanece em nossos corações e vidas,faz o coração pulsar,a mente revirar,é magia e confusão.
    Minha parte preferida "Pode soar muito bobo para quem quer que seja, mas se você não se permite, como pode o amor fazer morada? Vai por mim, quando você se fecha, a dor de cabeça é infinitamente maior."
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ♥ O amor é aquela coisa sentimental que nos faz querer sempre mais e mais. Apesar de tudo, vale a pena lutar por ele. Fico muito feliz em saber que gostou do texto. Muito obrigada, Jenny.

      Excluir
  2. Eu simplesmente amo seus textos e isso não é nenhuma novidade né? Gosto principalmente quando você fala sobre amor, que é a temática com a qual mais tenho dificuldades. Não sei explicar, é como um bloqueio. Por isso curto tanto ver o que as outras pessoas pensam sobre o assunto <3 Um beijo : *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez com o tempo você se acostume com o tema e não deixe o constrangimento te impedir de escrever, porque é sempre bom, vai por mim. Dá uma leveza imensa ♥ Espero que consiga superar esse bloqueio. E um muito obrigada, é bom saber que gosta, moça.

      Excluir
  3. Ah o amor tem isso, tem o poder de nos deixar mais leves, ver as coisas sempre pelo lado bom. As borboletas no estomago e as pernas tremendo são as melhores partes, admito <3 Obrigada por compartilhar um texto tão maravilhoso :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São sensações muito boas mesmo ♥ Acho que a melhor parte de se amar é ter isso. Borboletas no estômago e um milhão de sentimentos misturados. É lindo. Obrigada pelo carinho.

      Excluir
  4. Ai, que texto ♥ Ficou lindo, leve como sempre e muito gostoso de ler. O amor é um sentimento maravilhoso, provoca milhares de outros sentimentos e não se iguala a nenhum outro. Como a Pâmela disse, minha parte favorita também são as borboletas no estômago. Não tem coisa melhor do que ver alguém e sentir isso, e perceber que nunca passa :)
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NHa, que bom que gostou, Mari ♥ O amor é tudo isso mesmo, é algo leve e simplesmente encantador que nos faz sentir especial. As borboletas são realmente uma das melhores partes, aquele friozinho na barriga. Obrigada, moça.

      Excluir
  5. Gostei imenso de ler :o tens imenso jeito lindinha :) Beijinhos!

    http://10metrosdouniverso.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muitíssimo obrigada, moça ♥ Fico feliz que tenha curtido.

      Excluir
  6. Parabéns pelo texto, Kelly! Não conhecia o blog, mas já tô adorando! Beijos :*

    Obs - Minha parte favorita: "mas se você não se permite, como pode o amor fazer morada?" ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, que bom que curtiu, moça ♥ Seja bem-vinda por aqui.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤