26 setembro 2015

5 conselhos para mim mesmo

Seguir conselhos não é necessariamente algo que fazemos, principalmente vindo de nós mesmos. Temos o costume de dar milhares de opções para os problemas alheios, encontramos até fugas que ninguém mais consegue enxergar, mas e os nossos problemas? Bom, esses a gente vai deixando de lado, guardando no bolso e indo em frente, na certeza de que vai conseguir resolvê-los um dia. Nem sempre esse tão esperado dia chega, e então vai se acumulando até se transformar em rios de lágrimas. Faz parte, mas conseguimos um descanso até vir alguma outra complicação e nos deixar de ponta cabeça.
Uma coisa que comecei a compreender agora, é que muitas vezes devemos sim seguir nossos próprios conselhos. Esse que damos à um amigo que precisa de um ombro. Esse que damos à alguém que precisa de um desabafo. Esse à quem entregamos de mão beijada para aqueles que nem se importam muito com o que temos a dizer, só precisam de uma companhia na hora ruim. Se fôssemos juntar todos eles, teríamos uma vida muito mais fácil de se conciliar. Ressalto dizer que complicamos muito as coisas sem motivo, vemos o que não existe, não entendemos algo simples, insistimos em coisas que não são reais, ficamos bravos e chateados com situações que só existem na nossa cabeça. Tem horas que é bom sim deixar aquela voz que ecoa na sua mente de lado, e passar a focar mais no que sentimos e no que é de verdade. Pensando nisso, separei alguns conselhos que daria a mim mesmo, apesar de não escutá-los.

Não esperar nada de ninguém

Uma coisa que passei a levar como manual de instrução, é o fato de que quando somos explícitos com os sentimentos, corremos o risco de não ser recíproco. Machuca um pouco essa história de dar e não receber, mas se estou me doando, é porque quero, porque sinto aquilo. É preciso entender que não é necessário obrigatoriamente receber algo em troca, fazemos isso por nós mesmos. Não esperar nada é a melhor opção para a prevenção de muitas decepções e quedas desnecessárias. Costumamos apostar em tudo, mas apostas nem sempre são uma boa e nem sempre saímos ganhando, ainda prefiro deixar que o tempo me diga o que preciso saber.

Não colocar em um pedestal as coisas pequenas

Sempre fui muito apegada à coisas pequenas, atitudes minúsculas que se transformam em uma tempestade com vento e trovoadas. Alguém me fala algo e fico remoendo aquilo por um bom tempo, deixando me levar pelo que entendo ou pelo que acho sobre aquilo. Isso me faz estar sempre decepcionada ou chateada com comportamentos que não fazem sentido algum. Atualmente melhorei e muito quanto à isso, mas ainda preciso me atentar mais. Não é porque vi determinada coisa que aquilo realmente seja como estou pensando. Preciso confiar mais, acreditar mais naquilo que me dizem, na tentativa de ser mais transparente, de ser mais intensa com o que faço ou deixo de fazer. Assim como deixar de lado o que me incomoda. Nunca fui muito de dar importância para as coisas que me fazem mal, mas por vezes acabamos entrando na onda e damos com a cara no chão. 

Não me importar tanto com críticas

Se existe uma pessoa sensível ao extremo, essa pessoa sou eu. Quando o Cara lá de cima me criou deve ter colocado um bocado de sentimentalismo envolvido e mandado para cá na tentativa de transformar o drama em dias comuns. Tenho o hábito de me machucar por qualquer palavra mais áspera, principalmente quando vem de alguém que me importa muito. Tudo bem ser assim quando você vê que há valor emocional no meio, mas quando as críticas surgem de alguém que nem o conhece o suficiente para falar algo a respeito, nos resta aceitar e analisar. Essa pessoa está certa? Ela realmente te descreveu? Não? Então pronto. Eu sei o que sou e o que sinto, isso é o que vale.

Me divertir mais

Sou aquele tipo de indivíduo que passa boa parte dos dias em cima de obrigações e responsabilidades, não gosto de deixar nada para depois e muito menos ir levando em frente algo que está me puxando para trás. Gosto de tudo a seu tempo, sem pretensões ou cobranças. O problema, é que não resta tempo para curtir a vida. Fico tão concentrada em afazeres que me esqueço que tenho um caminho pela frente e preciso de histórias para contar para os meus filhos ou netos futuramente. Não que isso seja uma obrigação, mas é algo que realmente quero ter em meu repertório. Já imaginou? "Filho, nem te conto, eu fazia isso na sua idade". Parece um tesouro que temos que ter guardado.

Não perder o controle desnecessariamente

Há coisas que nós precisamos perder um pouco do controle, convenhamos, todos sabem disso, mas há situações que não é necessário esforço algum. Atitudes hipócritas que nos tiram do sério, pessoas que não sabem que existe a palavra "limite", casos particulares que nos fazem revirar os olhos. Tudo isso pode ser contido com uma boa risada. Que me perdoem aqueles que pensam que é uma atitude ridícula não levar a sério, mas por que será que eu vou perder o controle e gritar se posso simplesmente usar o sarcasmo ao meu favor? Existem coisas que naturalmente não merecem um pingo de atenção, só preciso entender isso de uma vez.

28 comentários:

  1. Eu nunca fui de dar muitos conselhos e quase nem sempre desabafei, acho que a minha forma de desabafar é escrevendo, mesmo assim vou seguir todos os seus conselhos pois adorei cada um. Beijos e fique com Deus.

    www.ancoradepapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sou muito de desabafar, costume guardar para mim e escrever quando consigo, mas sempre me pego pensando que talvez seguir os conselhos que dou aos outros poderia me ajudar em diversas momentos. Fico feliz que tenha gostado ♥

      Excluir
  2. Ish, sou mestre em dar conselhos pros outros e não acatar eu mesma! Ainda estou tentando melhorar nisso aí. ^^'
    Mas é bom de vez em quando nós pararmos pra pensar no que estamos fazendo e como estamos agindo. É saudável e a gente só ganha.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas então moça, uma eterna batalha para nos escutar, mas um dia conseguiremos ♥ É sim, é bom pensar no que estamos fazendo ou deixando de fazer, remarcar os passos.

      Excluir
  3. Engraçado como é mais fácil aconselhar os outros do que a nós mesmo. Sabe aquela velha coisa de ajudar o outro com ótimos conselhos, mas não consegui-los colocar em prática na própria vida? Essa sou eu rs.
    O bom é que conforme vamos amadurecendo a gente vai entendo que nem tudo é como pensamos, e que precisamos respirar, e que precisamos nos ouvir mais.
    Adorei o post Kelly ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é exatamente isso. Nunca sabemos o que fazer com nossos problemas, transformamos eles em grandes bolas de neve que só cresce a medida que o tempo passa, mas é importante parar de vez em quando e nos ouvir. Ouvir nosso coração. Obrigada Cami ♥

      Excluir
  4. Acredito que todos esses conselhos que você citou, a maioria de nós precisamos seguir, mas como dito "preferimos guardar no bolso". Eu particularmente, gosto muito de dar conselhos as pessoas, apesar de ainda ter pouca idade, passei por vários altos e baixos e aprendi muito em cada um deles. Sei dar conselho a quem precisa, menos a mim, por esse motivo hoje de mês em mês tenho que ir na psicologa e ouço exatamente esses cinco conselhos que você citou, principalmente o "Não me importar tanto com criticas" não que eu não saiba ouvir críticas, o problema é que eu me importo MUITO, e sempre acabo na pior por conta delas, ao invés de usa-las como beneficio. Enfim, é isso. Como sempre, gostei do post. Beijos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, apesar de muitos serem bons, guardamos com aquela sensação de que nunca iremos precisar porque já sabemos, mas aí vamos lá e erramos justamente onde deveríamos acertar. Já disseram que talvez eu também precise ir e ouvir algumas verdades, e talvez estejam certos, mas por enquanto fico com os meus mesmo. Mas concordo plenamente, sou um pouco assim como disse que é, sempre fico remoendo uma crítica, tentando entender se essa pessoa tem razão ou não, porém, acredito que faz parte, algumas são para o nosso próprio bem. Fico feliz que tenha gostado ♥

      Excluir
  5. esses conselhos servem para a maioria das pessoas
    pois em geral como você disse damos conselhos para os outros e quando se trata da nossa vida tudo se complica.
    mais achei que faltou que devemos simplificar a vida, esse conselho levo pra mim como um mantra, não tentar complicar tudo.
    bjos
    http://tpmamoretc.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não uso essa expressão como um conselho. Aprendi um tempo atrás que isso é uma obrigação de cada um. Todos deveriam ser descomplicados, ver as coisas com mais clareza e tirar a limpo o que ficou subentendido, muitas vezes nossos problemas surgem de complicações que não deveriam nem estar presentes. Simplificar a vida é uma atitude que deveria partir de cada um.

      Excluir
  6. Acho que quando damos um conselho a um amigo ao meu ver ele serve tanto para ele quanto para nos, mas as vezes acaba sendo dificil admitir e também segui-lo.
    Xoxo :*
    www.isabelamingues.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente moça, e serve sim, é como uma lição aprendida, mas acabamos recusando e querendo quebrar a cara no mesmo ponto.

      Excluir
  7. Nossa, temos bastante coisas em comum. Sou do tipo de pessoa que dou conselhos para todo mundo, até para mim mesmo, mas nunca os sigo. Adorei os seus conselhos, eles servem pra mim também. Sou apaixonada pelo seu blog e pela forma como você escreve ♥

    Beijão,
    http://www.complexodevaneio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Servem para qualquer um, acredito. São pontos que fazem tudo ficar mais leve, sem tanta energia negativa ao redor. Muito obrigada pelo carinho ♥ É muito bom saber que gosta.

      Excluir
  8. De todos os conselhos, o que eu preciso seguir é de fato, me divertir mais. Tenho me preocupado com tudo, isso me deixa ansiosa demais. Acho que esse é o momento em que tudo começa a virar de cabeça para baixo, ensino médio terminando, uma vida nova chegando e eu permaneço a mesma guria estranha da quinta série, que vive num mundo paralelo e não quer sair dele de jeito nenhum, mas a vida obriga. Por conta de tudo isso e muito mais - que a realidade me joga um balde de água fria a cada dia - permaneço trancada em casa, sem fazer nada de bom, porque se eu sair vai dar merda. Enfim, é confuso, eu sei, mas sou um troço bugado mesmo POKASKA só sei que sinto necessidade de sorrir mais, brincar mais, mas não consigo. Entendeu? '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendo perfeitamente o que você quis dizer. Acho que temos isso em comum, também carrego comigo essa sensação de que é melhor eu ficar quieta no meu canto ao invés de sair por aí e causar algum problema. Na maioria das vezes saio como a ruim da história, penso que é um pouco de karma, deve ser. Mas precisamos nos livrar dessa cordinha que nos puxa para trás e ir em frente. A vida e até mesmo as pessoas nos jogam baldes de água fria, e tudo que acreditamos ser certo se torna errado e então ficamos com aquela confusão de não saber onde está errando. Porém, é necessário ver as coisas boas, sorrir mais.

      Excluir
  9. Isso mesmo, Kelly, se escutássemos nossos próprios conselhos, a vida teria uma simplicidade mais leve. É que o nosso condão de complicar as coisas é mais forte que nós, que qualquer sabedoria de que "não é bem do jeito que estamos pensando", rs.
    "[...] insistimos em coisas que não são reais, ficamos bravos e chateados com situações que só existem na nossa cabeça.", essa frase... Maravilhosa, como os conselhos.
    Sobre não esperar nada de ninguém, leva algum tempo até percebermos, porque por mais que nos digam, só aprendemos depois de quebrar a cara "algumas" vezes. Machuca, mas é como você disse, se estamos fazendo algo, façamos porque queremos, sem esperar nada em troca. Primeiro porque é melhor para nós mesmos e faz um bem danado, segundo, evita futuras frustrações.
    Sobre não colocar coisas pequenas num pedestal: Eu sei bem disso, mas foi tão bom você lembrar. A gente acaba esquecendo desses detalhes importantes que podem mudar tudo, sabe? Poxa, nem fala. Às vezes nem tudo que vemos é como pensamos. E esse conselho serve para tudo. Para não se contentar com migalhas, como se fossem o melhor que merecemos; e para não conflitarmos por tantas besteiras. Não deixarmos coisas tão pequenas terem um poder tão grande sobre nós.
    "Se existe uma pessoa sensível ao extremo, essa pessoa sou eu." Kelly, minha querida, sinto te informar que você é minha eu aí nessa parte do país, ou eu sou sua versão aqui, tanto faz haha. Toda vez que você escreve sobre você por aí, me vejo nas suas palavras. Olha eu sei bem como é isso. Puta merda, que pessoa sentimental que eu sou. É tão estranho, não é? Ser assim, se abalar por qualquer coisa. Estou trabalhando nisso, tentando, ao menos, mas críticas são uma coisa que ainda não sei lidar.
    A gente vai se atolando na rotina, nas tarefas e responsabilidades e esquece de pirar um pouco (no bom sentido), de rir a toa em algum momento. Quase num piloto automático. Esse item também está na minha lista. E pode ter certeza que teremos histórias maravilhosas para as próximas gerações!!
    E sobre o último, obrigada pelo conselho. Eu sou o tipo de pessoa que parece um urso de pelúcia de paz e fofura ("quê? sua metida"), mas perco o controle e a paciência tão facilmente que chega a ser patético. Pronto, admiti, ashuahsua. Mas, como você disse, para que, não é? A indiferença é a melhor resposta.
    Desculpa se esse comentário ficar descomunal, acho que passei do limite ssdasljd
    Amei o post, mil beijos!


    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moça, quando vi o tamanho do seu comentário, jurei que você estava me xingando por completo aiueiauhe ♥ Sempre que alguém me diz que sabe exatamente o que estou sentindo, ou que percebeu alguma coisa em mim que não percebo, fico me perguntando a que ponto essa pessoa sabe algo sobre meus sentimentos, ou sobre aquilo que acredito. Esse meu pensamento tem servido para mim mesma, que também acabo vendo coisas que na realidade não são como penso, são muito mais simples. Mas é como disse, nosso condão de complicar as coisas é muito mais forte.
      Quando passamos a nos importar menos com o que queremos de volta, passamos a nos doar mais com sentimentos que gostaríamos de receber, e isso faz um bem incrível, tanto para quem sente quando para quem o escuta. E sim, nós esquecemos constantemente que partículas minúsculas não valem uma medalha de ouro, é claro que se deixarmos acumular, irá se tornar uma bola enorme de mágoas, mas por que deixar essas coisas nos abalar? Nunca vi muito sentido.
      Somos duas criaturas sensíveis então, quando me dizem o quão grossa estou sendo em um momento que só estou dando amor, nossa, isso me destrói por inteiro, só que é como dizem, cada um enxerga o que quer, não o que está bem em frente. E sobre ser um urso de pelúcia, acho que nos fabricaram juntas e botaram em lotes para vender separados, porque é bem por aí.
      Obrigada pelo comentário maravilhoso e por ter se aberto um tantinho aqui comigo ♥

      Excluir
    2. Eu não te xingaria, ahusha ♥ pode anotar, haha.
      Obrigada você por escrever tão bem e compartilhar tudo aqui com a gente. Haha, tipo isso, ursinhos do mesmo lote.
      Um beijo ♥

      Excluir
  10. É difícil ter que lidar com todas essas coisas e ainda andar em equilíbrio. Não podemos confiar em ninguém mas temos que dar uma chance para as pessoas, não podemos nos importar com as críticas mas o fazemos frequentemente... É tanta coisa! A vida podia vir com manual hahahah

    irianneveloso.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poderia sim, ou com algum tipo de termômetro sabe? Algo que pudéssemos usar para diferenciar o que vale a pena insistir e o que é melhor deixar para trás. Seria muito mais fácil.

      Excluir
  11. Kelly, qnd cheguei nessa parte "por que será que eu vou perder o controle e gritar se posso simplesmente usar o sarcasmo ao meu favor?" eu ri, pq eu faço isso kkkkkk. Nem sempre acho o sarcasmo como saída, pois me estresso fácil com essas coisas e acabo falando algo crítico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu aprendi a usar muito, tanto o sarcasmo quanto a ironia, acho que por isso dizem que sou tão ordinária e tenho um jeito fechado, mas foi a única saída que encontrei para não me irritar tanto sabe? Mas realmente, tem coisas que é impossível não perder a cabeça.

      Excluir
  12. Acho que preciso me dar alguns desses conselhos, mas são muito difíceis de seguir :( prometi a mim mesma que vou aproveitar mais a vida e não cair na rotina de trabalho-casa, casa-trabalho, vamos ver como me saio!

    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que se saia bem nesse desafio, porque apesar de parecer complicado, seja o conselho que for, tudo é questão de hábito e de conseguir conciliar as coisas. Vai perceber com o tempo que isso é algo extremamente íntimo, e só depende de nós ♥

      Excluir
  13. Ótimos conselhos e pra mim, o primeiro é o mais significativo, é algo que eu levo para a minha vida também. Aprendi com o tempo a não esperar nada dos outros, sempre tentei demonstrar meus sentimentos pelas pessoas e foi difícil pra mim entender que nem sempre os outros vão sentir o mesmo por mim ou se importar da mesma forma comigo, entendi que o que é realmente importante é o que eu sinto independente se a outra pessoa sente o mesmo ou não, isso é apenas um detalhe. E quando aprendi essa lição as cosias se tornaram mais fáceis pra mim e passei a me decepcionar menos com os outros e com a vida.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso Leni, acho que quando nos damos conta de que o importante é aquilo que está dentro de você, e do que faz com os que estão ao seu redor, passa a entender que é quase como um Karma. Se doar é um risco que muitas vezes vale a pena, mesmo que não seja recíproco ♥ E sim, faz com que a decepção seja mais leve.

      Excluir

Design e conteúdo por Kelly Mathies | Tecnologia do Blogger | Com amor ❤